17.1 C
São Paulo
quarta-feira, 21 de abril de 2021

Verdade ou mentira?

Minhas crônicas de quinta.

A mentira tem perna curta e nariz grande. Não quero dizer que um baixinho narigudo – como um daqueles personagens animados da Pantera Cor-de-Rosa – seja a personificação da mentira. Ela não tem cara, nem perna, só que é mais rápida que uma pantera.

A verdade é mais tranquila. A mentira é desesperada, por isso ela corre e chega mais rápido. Só que, nessa correria toda, às vezes ela tropeça (ou trupica, como diz nosso gostoso dialeto), e vira um bolo só. Daí a gente não sabe onde ela começou e onde ela termina.

A verdade é que a mentira é frágil, por isso é um tolo quem tenta se esconder debaixo dela. É só bater um ventinho que voilà, a verdade vem à tona.

A verdade é uma caverna de pedra, milenar; a mentira, uma cabana efêmera, improvisada, um acampamento. A verdade é verde: vida, saudável, “siga em frente”; a mentira é vermelha: morte, fogo, “pare”.

A mentira é sacana e sem escrúpulo algum. É típico da mentira se fantasiar de verdade. Faz parte do jogo. É a estratégia básica de qualquer mentira. As vezes ela se veste de verde, e às vezes, a verdade – nua e crua – é vermelha, como o sangue que aparece quando a gente se corta.

A mentira (ou omissão da verdade) só é boa quando usada para fins de justiça. Falo da justiça real, filosófica, conceito que pouco – ou nada – tem a ver com o sistema judiciário. Este, é composto, muitas vezes, por mentirosos que se pautam, muitas vezes, em mentiras pra conseguir o que querem por intermédio da Lei (uma ferramenta também muito utilizada em favor da própria injustiça e de interesses que não são universais).

Hoje é Dia da Mentira, e ontem foi 31 de março. Em verdade, uma data histórica em nosso país. Há 57 anos e 1 dia, aconteceu o Golpe Militar, e até hoje, a Comissão da Verdade traz à luz os fatos que foram escondidos debaixo do tapete da mentira em que o país viveu durante aquele período sangrento, omisso e covarde.

A verdade sempre vem à tona, porque ela é real e eterna. A mentira não existe, é falsa e temporária. E a mitomania é uma doença que precisa ser tratada.

Nada como a verdade: ela sempre prevalece. É linda – e às vezes cruel – mas nela a gente pode confiar. Nada de sujeira debaixo do tapete e nada de cortina feita de fumaça, encobrindo a nossa visão. Quero um mundo transparente como água potável, e visível, como tudo que enxergamos quando o clarão do sol bate, acendendo a luz do dia.

Luana Carvalho
Arquiteta, cria da Unesp - Presidente Prudente. Brasileira, com 27 anos de sonho e de sangue, e de América do Sul. Escrevo porque não sei guardar segredo.

4 COMENTÁRIOS

  1. Nada como a verdade… como já citado, as vezes dói mais, mas pelo menos não ilude ninguém. Na mentira a pessoa pode se safar por um tempo, mas cedo ou tarde a verdade vem a tona e tudo se acaba.

  2. De que adianta mentir? Isso te poderá te levar a um estado melhor (uma promoção no emprego, um relacionamento, uma vantagem financeira), mas cedo ou tarde a verdade vem a tona. E mesmo que as pessoas não vejam, aos olhos do Senhor nada escapa.

Deixe uma resposta

Leia mais

Infância

Viagem aos anos 80

Verdade ou mentira?

Uma pausa prum café

Dia de terapia

%d blogueiros gostam disto: