19.1 C
São Paulo
quarta-feira, 12 de junho de 2024

Cadê o papeeeel?!

Minhas crônicas de quinta (que não sei porque sai na sexta).

O que poderia ser pior do que terminar o “serviço necessário” no banheiro e na hora de limpar a sujeira descobrir que acabou o papel? Acredito que fazer “o serviço” de modo compartilhado, como quem senta na sala de espera de um consultório médico, lado a lado e frente a frente aos outros pacientes, a encará-los e a jogar conversa fora sobre a “consulta”, barulhos e odores estranhos – ou qualquer outra coisa da vida -, seja, em alguns aspectos, bem pior que a falta de papel. Se bem que, nos antigos banheiros públicos romanos, ainda tinha como limpar a sujeira, mesmo que fosse com uma esponja comunitária mergulhada em um tanque cheio de água outrora limpa.

Não tem como a gente escapar: tem coisas que necessariamente precisam escapar de nós. Coisas necessárias e, por isso, banais, como o sol a subir sobre o horizonte todo santo dia; a água, que só damos o devido valor quando acaba; e o papel, sem o qual simplesmente não vivemos.

Parece exagero dizer que sem papel não vivemos, mas o ser humano, sob ameaça de desabastecimento, desesperad… digo, instintivamente, estoca papel higiênico. Quem viveu o começo da Pandemia sabe do que estou falando. Já conhecia esse “instinto” quem era vivo uma ou duas gerações antes de mim, em 73, e acompanhou o “Pânico do Papel Higiênico” no Japão (e no mundo?). A crise do Petróleo na época, devido à embargos econômicos, gerou um boato de que faltaria papel higiênico nos supermercados. E aí faltou mesmo, porque muitos correram para garantir o seu por um bom tempo, deixando outros muitos sem.

Da mesma Ásia, vem da China, um relato do ano 851, durante a dinastia Tang (que me corrijam os historiadores!), de um muçulmano que viajava pelo país. Ele registrou o seu desgosto com a higiene das pessoas ao usarem papel para se limpar. Claro que não era papel como os nossos, mas definitivamente não era a boa e velha água.

Espigas de milho, folhas e cascas vegetais, tecidos, conchas, areia, madeira, bloco de neve, e, claro, a própria mão já serviram como higienizadores íntimos mundo afora. Por volta de 1830, um catálogo chamado Farmers Almanac – e também outros que circulavam nos EUA – já vinha até com um furinho para ser pendurado no banheiro. Ali se fazia a leitura do papel, ali se limpava com ele e ali o jogava fora.

Já nesse embalo, o americano Joseph Gayetty, em 1857, começou a vender papel higiênico de fato. “A maior necessidade da época! O papel medicamentoso de Gayetty para o seu banheiro” era umedecido com Aloe Vera! Mas foi 10 anos depois que o rolo apareceu, com o produto dos irmãos Scott.

Esse era macio, mas ainda vinham com algumas lascas. Problema que parece ter sido resolvido em 1935, com a fabricante Northern Tissue.

Daí para frente foi só maciez (para nooooossa alegria!).

Dizem que tudo termina em pizza, mas as coisas só terminam mesmo no dia seguinte, depois da pizza! O que está dentro de nós ainda é parte da gente, e a limpeza interna é essencial. Filosofar é ótimo, filosofar e relaxar durante o “serviço”, então, é de uma grandeza espiritual. Nada pode abalar esse momento… a menos que falte papel no final!

Luana Carvalho
Luana Carvalho
Arquiteta, cria da Unesp - Presidente Prudente. Brasileira, com 27 anos de sonho e de sangue, e de América do Sul. Escrevo porque não sei guardar segredo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

No posto de saúde

Antes tarde do que nunca!

Eustáquio, o Homem Rabugento

Dois mendigos

Ano que vem é futebol

Patrocínio