21.5 C
São Paulo
segunda-feira, 15 de abril de 2024

Partículas do meu eu!

Fui invadido por uma força invisível. Sentia-a em todas as regiões do meu corpo. Emagreci. Deixei de aparar a barba e cortar as unhas. Estava acorrentado e triste. Queria ficar imóvel como um feto. Pela manhã, com um esforço sobrenatural dirigia-me a banca de jornais. Comprava todos que anunciavam vagas para empregos.

Acho que estava ficando cego – não encontrava nenhuma. Nenhuma vaga no horizonte. Semanas após semanas – meses após meses.

Pensei em vender meus rins para pagar as contas. Veio a razão: isto é ilegal. Se fosse possível, eu teria que participar de uma concorrência.

Meus diplomas poderiam ser vendidos para o antiquário – tinham a cor de velhos papiros.

Era a certeza que eu tinha envelhecido e não percebera.

O chocolate quente deixou de ter o mesmo sabor.

Os banhos de mar ficaram na lembrança. E nem o sol deixava meu espírito irradiante.

Onde andará a lua? Que iluminava as flores, antes lindas do meu jardim?

Acompanhava o dia a dia do meu filho – ele feliz e cheio de sonhos. Queria explicar pra ele o que estava acontecendo – mas o que estava acontecendo?

Dia após dia fui emudecendo, mesmo sem tirar a tradicional armadura – paletó e gravata.

De alguma forma, sentia-me cada vez mais rejeitado – mais precisamente, desconectado!

De porta em porta procurei os amigos – eles estavam ocupados…

O estômago roncava vez ou outra – enganava-o com bananas e cachorro-quente.

Minhas roupas amassadas como maracujá maduro, enrugado, assim como eu.

Meu espírito, antes guerreiro indomável, agora queria voltar para sua origem. Um sonho em busca de carinho e afeto. Mas, minha casa desaparecera. Perdi a noção do tempo – perdi a agenda do meu coração.

Surgiu um álibi para minha melancólica tristeza, seu nome – desemprego…

Autor:

Jaeder Wiler

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio