20 C
São Paulo
sábado, 22 de janeiro de 2022

Saúde Mental no ambiente corporativo: porque é preciso levar esta questão a sério

A necessidade de cuidar da saúde mental tem sido cada vez mais destacada, mas no ambiente corporativo este assunto ainda não é visto com a seriedade necessária.

Contudo, é justamente devido aos aspectos inerentes aos ambientes empresariais, que tem sido cada vez maior o número de pessoas que sofrem de estresse, ansiedade, depressão, síndrome de Burnout, síndrome do pânico etc.

Infelizmente, estes problemas ainda são vistos como ‘naturais’ por muitos empresários que acreditam que situações que envolvem prazos apertados, alta competitividade, metas inatingíveis e cobranças excessivas (entre outras) fazem parte da rotina e são vistos como ‘necessários’ para que as atividades internas tenham sucesso.

Porém, como também tem sido cada vez maior o número de pessoas afastadas em razão de problemas com a saúde mental, esta discussão se faz mais que necessária e os empresários que a levarem a sério estarão construindo uma nova maneira de fazer negócios.

O que é preciso destacar é que as empresas não são feitas somente de valores financeiros, os valores humanos, sim, são essenciais, aliás, precisamos lembrar que são estes os valores que sustentam os negócios: os valores humanos.

E como atrás de cada cargo e crachá está um ser humano, suscetível a um esgotamento físico e mental, é preciso que os empresários repensem os ambientes corporativos para que as questões emocionais sejam vistas com seriedade.

Para se ter uma ideia da importância desta atitude: segundo pesquisas feitas pela empresa multinacional Regus, 60% dos colaboradores consideram o trabalho como a maior causa dos problemas que afetam a saúde mental.

Mas para além da questão humana relacionada ao bem-estar físico e social do seu colaborador, os empresários precisam pensar que os resultados tão almejados só serão alcançados com empregados emocionalmente equilibrados. E ainda: resultados que são obtidos a custa de afastamentos, demissões e outros traumas, por vezes, coletivos; valem realmente a pena? A queda na produtividade que pode, a médio e longo prazo, gerar problemas ainda mais graves, também pode começar de forma imperceptível, em ambientes constantemente pressionados e nos quais assédios morais são comuns.

Diante disso, ao investir na preservação da saúde mental dos colaboradores, os empresários demonstram que valorizam, sobretudo, o ser humano que está, naquele momento, chefiando um projeto, uma equipe ou trabalhando com afinco para produzir os resultados esperados.

Sobre a autora: Silvia Sanches é mentora sistemica e ocupacional.

Deixe uma resposta

Leia mais