12 C
São Paulo
quinta-feira, 29 de julho de 2021

Medos contemporâneos

Depressão

      Muito se tem falado sobre a depressão, mas o que seria de fato a depressão? Tudo se inicia com uma tristeza profunda, com uma vontade eloquente de não existir, tal desejo de partida parece a única forma de sanar tamanha dor. É como se, mais nada fizesse sentido, a fé desaparece, as alegrias tornam-se tristezas e o vazio ganha um espaço que nunca deveria ter.

      Inúmeras pessoas sofrem do mal da depressão, entregando-se a uma tristeza, refugiando-se em um mundo amargo e obscuro, esquecendo do verdadeiro sentido do seu ser. Ao mentalizarmos energias negativas e pensamentos pessimistas, tais quais: não vai dar certo, não me sinto capaz, tenho receio de não conseguir, esse uso constante da partícula negativa não acaba ganhando espaço em nossa mente e passamos a absorver de fato as coisas que não são boas, que não nos farão bem. A força do pensamento é como uma moeda de duas caras, cada vez que a lançarmos ao chão existirão duas possibilidades de sair o que desejamos ou aceitarmos o que não esperávamos sair.

     As mágoas, tristezas e desilusões surgem em nossa vida como uma tempestade de emoções ruins, como um temporal de situações que parecem não ter fim, tudo com o intuito de desestruturar, desestabilizando as emoções humanas de quem pensa, que nunca vai sentir a dor da tristeza e a infelicidade da imperfeição do homem. Somos filhos de um Deus, que nunca pecou e nos idealizou para que fossemos perfeitos e fiéis conforme a sua imagem, mas os sentimentos da cobiça, da ira, dentre tantos outros, nos tornam pecadores aos olhos do pai e atualmente inúmeras coisas ruins são anunciadas por desobedecermos aos ensinamentos desse grande mestre.

      Quantas barbáries temos visto? Violência, abandono, desrespeito mútuo, além da soberba e ganância de tantas pessoas. A vida não é um imenso arco íris cheio de cores radiantes, que nos encanta com tanta formosura, na verdade, a vida tem sido reconstruída pelo homem, como um lugar obscuro e sangrento, em que grande parte da população mundial, tem adoecido de maneira depressiva e degenerativa. Quantas pessoas hoje, refugiam-se em seus lares, com medo do que encontrarão ao sair de casa? Quantas pessoas desistem dos seus sonhos, ao perder a alegria e o entusiasmo pela vida? A depressão é algo que pode acontecer a qualquer pessoa, ninguém está livre dela, a vulnerabilidade do ser, nos permite passar por situações jamais imagináveis.

     Como identificar que uma pessoa está com depressão?

        Os principais sintomas que levam uma pessoa a desencadear um quadro depressivo são: a tristeza, a falta de interesse pelas coisas da vida, os obstáculos encontrados no decorrer do dia a dia e em alguns casos a perda de um ente querido.

        De repente tudo parece perfeito, mas como num piscar de olhos, a vida vira de cabeça para baixo e tudo desmorona, não há mais sentido, não existem mais alegrias, não existem mais motivações para continuar a viver, em busca de sonhos e realizações que antes eram tão almejados, e olhar para o tempo, é imaginar o seu fim e pensar que, todas as coisas construídas perderam a sua essência, sua razão de existir.

        Recordo-me que uma certa vez, ouvi uma grande amiga dizer: “Quando entro em depressão, perco minhas forças, minha identidade e não consigo me reconhecer, viajo até o fundo do poço, imaginando se conseguirei vencer, tenho medo de tudo, até mesmo de me olhar no espelho e não enxergar em mim a pessoa que sou, não saio do quarto, não olho para os lados, me vejo reclusa no meu mundo triste e amargo”.

       Cada vez que lembro destas palavras, me transporto para as emoções não vividas, por esta grande amiga e fico a indagar-me: por que alguém se permite fragilizar-se tanto diante da dor? O que o mundo tem oferecido de proveitoso as pessoas, para que elas não se entreguem a quadros depressivos? Será que a única alternativa que resta é aceitar o que nos é imposto pela sociedade, sem nos questionarmos?

        Ninguém adoece por opção, tudo é uma junção de fatores que desencadeiam doenças degenerativas da alma, fragilizando as pessoas até o ponto de perderem seus limites e não resistirem as situações vividas. Quando as forças físicas não são suficientes, por que não recorrer a fé e a vontade de vencer através das forças divinas.

       Não é simplesmente mentalizar que vai dar certo, que tudo irá passar, antes de mais nada é importante que as pessoas em depressão admitam estar vivendo o problema e busquem meios de vencer esse mal. Seja através de profissionais qualificados na área ou até mesmo da fé.

        O mais fascinante da vida é a certeza de que existe um Deus justo e fiel, aquele que nos permite sonhar quando até mesmo os nossos sonhos, os outros tentam nos roubar, quando as coisas se tornam difíceis, até pensamos em desistir, quantas vezes nos agarramos na certeza de que é o fim. Mas é infinito o amor de Deus para conosco, que nos diz: tudo podes, tudo vences, basta creres em mim. Não há mal que te atinjas, porque estás protegido por mim, a tempestade é passageira, como as chuvas de verão, elas chegam de repente, fora da sua estação e muitos se perguntam chover, mesmo sendo verão, todavia é Deus nos dizendo é necessária essa ação, para que saibamos lidar com a reação.

Por que chorar e isolar-se do mundo?

        Chorar é um gesto de fragilidade e dor, vivenciada em determinadas situações de tristeza. Quando nosso corpo se debilita e não sabe como lhe dar com fortes emoções, o choro surge como um alento, como uma expressão de desabafo. É como se a cada lágrima que esteja sendo derramada, fosse aliviando aos poucos os pesares que carregam a alma e o coração.

        Uma vez ao conversar com um jovem, o mesmo falava-me brandamente: “ Chorar é como um sinal de fraqueza e admissão de que não somos capazes de superar obstáculos, demonstrando imensa fragilidade através de choro e só aqueles que não são capazes de entender a dor, choram”. Concordo em partes com o que me foi dito, por que as lágrimas não surgem como escolha, como uma opção, na verdade elas são aleatórias e surgem de forma inesperada mediante a situação do momento

       Jesus, o homem mais sábio que na terra já existiu, também chorou. Ele chorou ao se deparar com tantas coisas erradas e injustas propostas pelo homem aqui na terra. Ele chorou ao ver o quanto as pessoas estavam longe de viver os planos de Deus. Chorou ao se deparar com tanta mesquinharia, com tanta gente sem fé, sem amor em seus corações. A vida nos reserva tantas coisas boas e ruins, ela nos permite escrever linha por linha do que vivemos a cada dia. Se erramos, temos a oportunidade de rever nossos erros e tentar concertá-los de maneira que um aprendizado seja tirado de cada situação vivida.

Autora:

Clécia Cristina de Lima Lopes, graduada em Letras pela Faculdade São Miguel

Deixe uma resposta

Leia mais