20.1 C
São Paulo
quarta-feira, 21 de abril de 2021

Pastores: Segundo Ás Inovações da Sociedade Ou Pastores, Segundo E = Seguindo o Coração de Deus?

2 Apascentai o rebanho de Deus que vos foi confiado, cuidando dele, não como por coação, mas de livre vontade, como Deus o quer, nem por torpe ganância, mas por devoção, 3 nem como senhores daqueles que vos couberam por sorte, mas, antes, como modelos do rebanho. 4 Assim, quando aparecer o supremo pastor, recebereis a coroa imarcescível da glória.( 1ª Epístola de Pedro, capítulo 5) Bíblia de Jerusalém.

Estamos no despontar do Século XXI, hoje; discute-se de maneira muito acintosa, os aspectos das profissões. Para muitos, o século XXI trará consigo, novas profissões, como também, caracterizará, o desaparecimento de outras. O mundo coorporativo, o mercado de trabalho, como também; os conceitos impostos pelo novo modelo social e tecnológicos, exigirá uma nova visão por parte das profissões, bem como; dos profissionais. pastor, pastoreio e pastorado, são aspectos concordantes e correlativos às características, da vida pastoral. Isto por si só, exigirá dos pastores, uma nova percepção de mundo, de ministérios e da própria vida. Ainda mais, se for levado em conta, os desafios e a realidade das igrejas, neste novo contexto de mundo. É interessante, como as igrejas estão se adequando aos desafios impostos, por uma sociedade, que na atualidade, pouco se cria, mas; muito se transforma. Todavia, os novos desafios e imposições, muito ligadas aos sistemas impostos, colocará os pastores, numa grande linha divisória, ou seja; “apascentai o rebanho” Esse é um dos maiores desafios. “Cuidando dela, não por coação, mas de livre vontade” como Deus o quer. Ser pastor, nem sempre é igual, a agir como um. Um pastor regido pelos seus próprios interesses, e um pastor, movido pelos interesses de Deus, é como aquele que se vê, diante de duas vozes, a voz de Deus e a voz deste mundo. Por outro lado, o mundo está cada vez mais a influenciar a Igreja, do que, propriamente, sendo influenciado por ela.

“Nem por torpe ganância, mas por devoção”. O materialismo ideológico, o desejo de consumir, o imperativo desejo do ter, é um grande desafio, no desenvolver pastoral hoje, ainda que, muito diferente do que muitos pensam, a grande maioria dos pastores, vivam mais cheios de esperanças, do que propriamente, de bens. Porém; como no futebol, uma minoria exclusiva, um numero pontual, de “pastores” vivem acima da média da riqueza. A revista Forbes que o diga! “Como por devoção, e como exemplos do rebanho”. Ser exemplo, significa ser digno de ser imitado. Este quesito, é um dos pilares do ministério pastoral, como também; é a grande Pedra, no caminhar pastoral. É só abrir os meios de comunicação eletrônicos, que logo; um emaranhado de bobagens textuais e conceituais, revelam por si só, o pensamento, engajamento e envolvimento, de muitos pastores. Muitos, se deixassem de falar e escrever, tantas baboseiras, e se detivessem, a cuidar de seus rebanhos, talvez, os escândalos não seriam tão numerosos e presentes.

O pastorear envolve muito mais do que uma “simples” pregação. Envolve muito mais, do que; um número de registro, na “Ordem” a qual; você venha a fazer parte, mas; um pastor diferente às imposições da sociedade moderna, contrário, ao ímpeto de consumo, prolífero em sua árdua, mas compensatória carreira, entende que ser pastor, é bem diferente, de agir como tal. Há muitos que apenas são, e poucos, que agem como tais. Antes de encerrar este texto, quero louvar a Deus, pelos que são, e não por aqueles que apenas estão. Pois, os que são; 1- Pastoreiam a Igreja de Cristo, não apenas com mero interesse de cuidarem de si mesmos, mas; “cuidando dele” (o rebanho), 2- Não por coação, mas de livre vontade. 3- Não por ganância, mas por devoção, 4- Não como ditadores, mas como modelos, 5- Não como esperando recompensas de homens, mas certos; de que a recompensa virá da parte de Deus.

Se você é membro de uma igreja, e você tem um pastor assim, some-se a ele, e louve a Deus por ele, porque, ser pastor é muito mais, do que estamos vendo, nos dias de hoje.

Telles dos Santos
O autor é Teólogo, Pós graduado em Teologia (PUC-PR). Formado em Pedagogia Universidade Nove de Julho, e Pós Graduado em Neuropsicopedagogia pela Faculdade São Luís e pós graduando em Ciências da Religião. (Faculdade Batista de Minas Gerais).

Deixe uma resposta

Leia mais