17.1 C
São Paulo
quarta-feira, 21 de abril de 2021

O SINAL VERMELHO DE FACHIN PARA BOLSONARO.

Notícias STF :: STF - Supremo Tribunal Federal

O Supremo Tribunal Federal (STF) mais uma vez, se torna protagonista da História recente, não somente pelo crivo do decano, Alexandre de Moraes, ao decretar á prisão de Daniel Silveira (PSL-RJ) agora, foi à vez do Ministro, Edson Fachin. Com uma decisão monocrática e unilateral, sem uma discussão em plenário, Edson Fachin dá um “sinal vermelho” ao Presidente Jair Bolsonaro, e assim, torna o Ex- Presidente Luís Inácio Lula da Silva, antes inelegível, agora; podendo se candidatar às eleições de 2022. Com a decisão tomada por Fachin, nesta fatídica segunda Feira, 8 de Março, até o dólar subiu, e pode-se esperar, que muitas outras coisas subirão.

A começar Principalmente, a temperatura política, no Senado e Congresso, Nacionais. Faccin ao mesmo tempo em que tira às amarras políticas do ex-presidente Lula, abre novas dúvidas, no que se referem à atuação do ex-ministro Sérgio Moro, bem como; de sua equipe, de forma mais peculiar da “turma” de Curitiba.

Se o gigante encontrava-se adormecido, já não se pode dizer mais, porém; o ressurgir político do ex- presidente Lula, mexe a massa política e volta a fazer a fila andar. O mesmo sinal vermelho emitido por Faccin à Bolsonaro, sem dúvida nenhuma, irá refletir no Palácio dos Bandeirantes, Dória certamente, sentirá os reflexos da luz vermelha!

O retrovisor político de Bolsonaro, se outrora apresentava uma reta sem nenhum tipo de declive ou interferências, mostra a figura de Lula, o único candidato á presidência, com reais condições de lhe causar suadouro. Já para o atual Governador de São Paulo, Jão Dória (PSDB-SP) a estrada fica mais extensa, e as pedras pelos caminhos, poderão certamente lhe trazer uma “facite” plantar, não apenas nas plantas dos pés, como também; no plantio político a ser construído.

Enquanto a pandemia toma o país, enquanto Bolsonaro manifesta seu histerismo político, e suas falas, o remetem ao desapreço, o mundo político gira, e com o girar das horas, dias, meses e anos, se torna cada vez mais nítido, o fato de que na política, a velocidade do que se transforma, é infinitamente mais veloz, do que, as coisas que se criam, haja visto, o tempo para renovação do auxílio emergencial, a busca de novas vacinas, como também; a aprovação de novas vacinas. Bolsonaro tem como seus pares, alguns líderes pastorais, os quais; ao invés de colocarem seus templos, espaços gigantescos e bem centralizados, como recursos de auxílio ao combate da pandemia e centros de vacina, estão estes, mais preocupados em aparecer em fotografias e poses, ao lado de Bolsonaro.

Saberemos com maior nitidez, os próximos capítulos da política brasileira, após o final da pandemia e a retomada de vida aos parâmetros normais. Enquanto a gasolina não baixa, as vacinas não chegam, e o auxílio não vem, o que se tem para hoje, é uma expectativa pujante, no sentido de ver o país reagir. Lula ainda é o grande maestro da esquerda brasileira, ainda conta com grande prestígio, entre às populações mais empobrecidas, como também; é um político experimentado e carismático, ou seja; “fala a língua do povo”, o Nordeste Brasileiro é prova disto.

A luz vermelha está piscando no Palácio do Planalto, os sinais de uma nova etapa política, também; e o reascender o breu da outra parte política, também. Lula pode não ser o “monstro” que disseram ser, mas ainda, com certeza é um “monstro” político, na captação de votos. Seus dois governos foram de significativo crescimento, sua imagem política no exterior, ainda não foi totalmente desconfigurada, e sua capacidade de articulações políticas, também não!

O fato é que os próximos acontecimentos, tanto na política, na justiça e por tabela, na economia, quem viver verá.

Por Claudinei Telles.

Telles dos Santos
O autor é Teólogo, Pós graduado em Teologia (PUC-PR). Formado em Pedagogia Universidade Nove de Julho, e Pós Graduado em Neuropsicopedagogia pela Faculdade São Luís e pós graduando em Ciências da Religião. (Faculdade Batista de Minas Gerais).

Deixe uma resposta

Leia mais