26.3 C
São Paulo
quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

Virando a Página

“Mas uma coisa faço, esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que estão diante de mim, então prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de deus” (FIL.3:13-14).

          “Virar a Página”. Esta ação tão comum no viver diário possui aplicações diversas. Não se vira a página de um livro, nem se muda apenas as páginas de uma revista, como também; não se avança na leitura de um livro apenas pelo prazer de lê-los.

Virar a página pode e deve ser mais do que foi dito anteriormente, mas; em situações exponenciais e circunstanciais da vida, “Virar a página” é um dos caminhos, para aquilo que Jung, denomina, como: “A busca do ser”. [i]

 Há diversas passagens nas Escrituras, cuja temática central, e os valores a serem compreendidos, estavam intercalados e amplamente, relacionados ao ato de “Virar a Página”. Quem não se lembra da mulher apanhada em flagrante adultério? Antes, que os instintos moralistas e acusatórios, pudessem Tê-los levada a óbito, uma vez, que a Lei, realmente; subscrevia o apedrejamento como punição pelo ato praticado. Jesus, “Vira a página da História, entrando para a própria História, e criando àquela mulher, uma nova estória de vida. “Onde estão aqueles que te acusam”? “… Vai e não peques “mais”. Jesus não apenas “Virou a página” da vida daquela mulher, mais do que isto, lhe ofereceu uma nova oportunidade de vivê-la.

O que não dizer, daquele homem que por 38 anos esperava uma oportunidade para entrar na água, a qual levaria à cura e assim; lhe redundaria, o começo de uma nova vida. “Pois; […] o primeiro que descia era curado de qualquer enfermidade”. [ii] Outro fato a ser considerado, é que “virar a página” de sua vida, e de sua História, nem sempre só dependerá de você, mesmo porque; se Jesus não passasse por ali, dificilmente, aquele homem teria alcançado tamanha graça, e indubitavelmente; a página de sua vida, permaneceria inalterada. Outro exemplo de página virada se fez presente, na vida do filho pródigo. A palavra pródigo tem o sentido de esbanjador. O jovem pródigo, muito se assemelha aos jovens de hoje. Esbanjam vitalidade, cuidados com o corpo e compulsividade. Um conceituado educador, em falando numa palestra a professores, fez a seguinte observação: “Não confundam hormônios com Demônios”. Nesta fase da vida, tanto lá como cá, os movimentos hormonais, atrelados ao desejo de ser “independente” o levou a gastar suas energias, naquilo que não fez bem!

Com isto, lá foi o jovem gastar e ser gasto, pelos desejos obscuros do coração e da mente. Até, que após gastar e ser consumido resolveu dar outro significado á sua vida, isto é; “Virar a página” e construir, uma nova história. “Vou ter com meu pai”. Virar a página de sua vida, construir uma nova história, requer passar por cima de seu orgulho pessoal e natural. Ao contrário, do que um famoso pensador afirmava: “O Homem é naturalmente bom, a sociedade é que o corrompe (Rousseau)”. Este pensar vai de encontro, àquilo que a Bíblia declara: “Não há ninguém bom, pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. [iii] Como acabamos de ver, a própria natureza do homem, por si só, requer um “Virar a página” de sua vida. Isto, Jesus ensinou a um homem letrado, versado nos pergaminhos Deutero – canônicos. “Nicodemos, a despeito de todo seu conhecimento, de sua posição social, bem como; de sua condição de “doutor da Lei”, se você, não nascer de novo; “Não virar a página” de sua História, não entrará no Reino de Deus”.

Como vimos “virar a página” é abrir as “gaiolas mentais” que nos impedem de vermos desvendados pela Palavra de Deus. “Desvenda os meus olhos para que eu veja as maravilhas da tua Lei”. [iv] Virar a página, é aproveitar às oportunidades que Deus e a vida, nos apresentam. Virar a página é querer, uma mudança em nossas estruturas mentais, [v], espirituais, [vi] “Ele nos vivificou estando vós mortos em delitos e pecados”. E na vida social. [vii] “Bem – aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor”.

Vamos virar as páginas: de nossa, vida, nossa fé, nosso país e nossa história?

Claudinei Telles.


  • [i] Jung. O Pai da Psicologia Analítica, a qual; tem por ponto de partido, o estudo do “Consciente Coletivo”.
  • [ii] João 5:04.
  • [iii] Romanos 3:10-12.
  • [iv] Salmo 119:18.
  • [v] Romanos 12; 1-3.
  • [vi] Efésios 2: 8-9.
  • [vii] Salmo 33; 12.
Telles dos Santos
O autor é Teólogo, Bacharel e Pós graduado em Teologia (PUC-PR). Faculdade Teológica Sul-americana (FTSA) Formado em Pedagogia Universidade Nove de Julho (uninove SP) e Pós Graduado em Neuropsicopedagogia pela Faculdade São Luís (SP) e pós graduado em Ciências da Religião. (Faculdade Batista de Minas Gerais).

Deixe uma resposta

Leia mais