22.2 C
São Paulo
segunda-feira, 15 de abril de 2024

Solidão II

Estação do metrô.
Multidão.
Gente que vai e vem…
Rostos sem nomes.
Formigueiro pulsando pela sobrevivência.

Terno e gravata: Espelho do meu rosto.
Traje da minha alma.
A grife dos meus óculos é conhecida;
tristeza é seu nome!

Olho nos olhos de cada um.
Não reconheço ninguém.
Ninguém me conhece.
Presente, passado e futuro.

O coração pulsa forte.
Como se quisesse falar.
Passa desapercebido.
Choro baixinho, sem única lágrima.

Fico numa estação qualquer.
Eles se vão, todos… Estou só.
Aparentemente vivo.
Por dentro: esmagado pelo
Metrô da civilização…

Autor:

Jaeder Wiler

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio