20.6 C
São Paulo
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Os programas de inclusão digital da pessoa idosa ainda são insuficientes; é necessário investimento urgente

A revolução tecnológica transformou drasticamente a vida de todos. Alterou não apenas as formas de produção, como o modo de comunicação e convívio social, entre outros. Mesmo após o dramático episódio da Pandemia, o Brasil ainda não possui políticas públicas para incluir a população idosa que vive à margem da era digital.

Muitos são os documentos que mencionam a importância da inclusão da pessoa idosa, como o Estatuto do Idoso, que prevê no Art. 21. que “o Poder Público criará oportunidades de acesso do idoso à educação, adequando currículos, metodologias e material didático aos programas educacionais a ele destinados” ou “Envelhecimento Ativo: um marco político em resposta à revolução da longevidade” (2015), que indica “a promoção da inclusão digital por meio do acesso à Internet e do treinamento como uma forma de facilitar a participação de pessoas que foram excluídas da vida cívica”. No entanto, a inclusão digital da pessoa idosa ainda está limitada a pequenas ações pontuais como oficinas específicas em centros culturais ou espaços abertos para o público em geral, como os Telecentros.

De fato, essas estratégias estão longe de garantir o direito ao acesso às tecnologias de informação e comunicação, uma vez que  não se dedicam especificamente ao processo de ensino-aprendizagem voltado à pessoa idosa e, nem tão pouco, à alfabetização e letramento digital. Atuam na resolução de problemas ou em situações específicas para o interessado, sem a preocupação em explicar como solucioná-lo, mas fazendo por ele.

O acesso à informação é uma das bases da democracia. Estar excluído digitalmente, em pleno no século XXI, é estar excluído da sociedade. Nesse contexto, torna-se imprescindível uma mudança e o governo sabe disso. É fundamental que políticas sejam criadas e se adaptem às necessidades das pessoas idosas, em constante mudança, com projetos que incluam a sociedade em geral.

Algumas  iniciativas que desempenham um papel importante na promoção da inclusão digital da pessoa idosa, oferecendo capacitação, na tentativa de diminuir a lacuna digital, são as criadas a partir de parcerias entre instituições sem fins lucrativos, governo e empresas.  Para superar muitos desafios nesta área é necessário um esforço conjunto. O Fundo Municipal do Idoso – FMDI -possibilita o financiamento de projetos para assegurar os direitos da pessoa idosa, com recursos de empresas que podem ser deduzidos do Imposto de Renda.

O FMID tem ajudado nas iniciativas de inclusão digital dos 60+, que necessitam de investimentos em equipamentos e em profissionais qualificados e aptos ao trabalho com alunos mais velhos, que entendam que o processo de ensino-aprendizagem nessa faixa etária é diferente. Além disso, é necessário um ambiente adequado, iluminado, acessível, facilitador e amigável, de preferência, com oportunidades de convívio intergeracional.

A Casa Ondina Lobo — instituição sem fins lucrativos, que ao longo de seus 73 anos atende idosos em situação de vulnerabilidade social — se empenhou para atingir esses propósitos em seu projeto Comunicação em Movimento (aprovado pelo FMID e em fase de captação de recursos). Entende que atuar dentro do território do aluno, permite maior adesão e engajamento para o letramento, além de oferecer cursos de capacitação para os profissionais interessados em trabalhar com o tema. Com formato absolutamente inovador, o Comunicação em Movimento inclui um ônibus itinerante, devidamente equipado tecnologicamente, que será a sede de aulas de inclusão digital para pessoas 60+ em bairros de vulnerabilidade social da cidade de São Paulo. Também faz parte da iniciativa a formação de gestores de Instituições de Longa Permanência para Idosos – ILPIs, para que promovam esse mesmo aprendizado aos idosos residentes de suas instituições.

Permitir novas modalidades educacionais para o letramento digital dentro de um modelo itinerante de ensino-aprendizagem em territórios vulneráveis, como o apresentado pela Casa Ondina Lobo e chancelado pelo FMID e pelo Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (CMI), potencializa a democratização do conhecimento e promove protagonismo da pessoa idosa. Favorece o combate aos estereótipos e preconceitos relacionados à idade, incentiva a participação ativa dos idosos na era digital.

Para reforçar a importância de programas como esse, a pesquisa Observatório Febraban-IPESPE aponta que os aspectos que mais contribuíram com a inclusão digital dos mais velhos (24% dos idosos) foram os cursos e treinamentos voltados para esse público. É preciso expô-los a essa nova linguagem. A idade não é empecilho para o aprendizado. As pessoas mais velhas, ou aquelas que não tiveram a oportunidade de aprender essa nova forma de viver, perdem a autonomia em relação a grande quantidade de opções que temos hoje (em qualquer situação), deixam de participar e de sentirem-se pertencentes a essa era, podendo provocar inúmeros conflitos internos e externos, inclusive problemas de saúde.

São inúmeros os estudos dos resultados, impactos e os efeitos de Programas de Inclusão Digital na Performance Cognitiva de pessoas idosas, inclusive desenvolvidos pela USP – Universidade de São Paulo, que observam  o uso da tecnologia e seus  benefícios à vida psíquica, física e social das pessoas idosas, a partir das interações sociais, praticidade em tarefas e atividades cotidianas. A literatura científica, nacional e internacional, têm publicado  iniciativas com os resultados positivos  na prevenção de possíveis doenças, como a depressão.

Esse tipo de iniciativa de fato, não beneficia apenas o aprendente, mas todo o seu entorno e contexto familiar. O letramento digital e a educação midiática promovem maior autonomia e independência, o que libera a família de muitos afazeres.

Outro aspecto importante também precisa ser observado. Conforme a Pesquisa Nacional Por Amostra em Domicílio – PNAD Contínua, quase 60% de pessoas idosas acessam a internet, um aumento de 12,7% de 2019 para 2021. No entanto, ter acesso ou possuir um equipamento/dispositivo não significa ser letrado ou usar a tecnologia de modo crítico. O PNAD mensura se houve acesso pelo participante da pesquisa e o que foi acessado, mas não indica como foi esse acesso ou se foi realizado de forma segura e consciente.

A evolução tem ocorrido em partes – tecnicamente existe mais oferta de acesso, porém vivemos em uma bolha tecnológica. As pessoas que mais têm acesso digital são ainda as mais estudadas e com melhor situação socioeconômica. Fora da bolha, mesmo aqui na cidade de São Paulo, nos territórios mais distantes do centro, encontramos pessoas idosas que não têm celular ou que não sabem utilizá-lo. 

Por todos esses motivos, é importante que empresas fiquem atentas aos melhores projetos do FMID. E, até Dezembro deste ano (só até dezembro), quando acontece o período de direcionamento do Imposto de Renda para utilização em Fundos Públicos, elas poderão selecionar um desses projetos.

Investir em programas para pessoas idosas é uma necessidade crescente, e as empresas desempenham um papel significativo para ajudar a atender a essa demanda social, que promoverá um grande impacto na comunidade. Dessa forma, as empresas demonstram um compromisso com a Responsabilidade Social, o que fortalece a sua imagem, mostra sua preocupação com questões sociais e com o bem-estar da comunidade, além de alavancar a sua marca junto aos consumidores, funcionários e investidores.

Autora:

Meire Cachioni – Profa. Associada da Universidade de São Paulo — USP; Vice coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia da USP; Coordenadora do Programa USP 60+ EACH USP; Doutora em Gerontologia na Faculdade de Educação – Unicamp; Pós-doutora em Gerontologia, Universidade do Porto, Portugal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio