22.4 C
São Paulo
sábado, 15 de junho de 2024

Marrocos: Greve de professor e tumulto

O ministério da educação do Marrocos enfrenta pela primeira vez uma greve geral e sem precedente, sob pressão dos professores que exigem melhores condições de trabalho e inserção direito na função pública, face a  consternação dos discentes e famílias,  e controvérsias em torno do novo estatuto e acordo entre o ministério e sindicatos, patronais e as coordenações dos professores.

Isso veio numa altura em que o governo pensa numa trégua, para discutir o acordo, encontrado num beco sem saída.

Durante as duas últimas semanas, parece que as saídas midiáticas para o novo estatuto básico de educação levam o Ministro da Educação, Chakib Benmoussa, a mudar do ritmo face às demandas dos professores, do impasse ministerial, e das queixas de famílias e discentes, consequências das aulas suspensas ou dispensadas.

Conforme os dados dos 17 comités de coordenação da greve nacional, os professores e instituições de ensino no Marrocos paralisam o setor do ensino público,  os discentes, o governo e o conselho da educação continuam sob uma nova onda de pressão, numa altura em que 90 %, dos professores exigem uma inserção direta na função pública, e troca do acordo contratual.

Tal situação confusa é comparada a uma bola de neve,  que se escorrega  e enrola num tamanho improvável.

Este novo estatuto de ensino tem sido caracterizado como um tiro à queima roupa,  cujo autor ministro da educação de Marrocos, sr Chakib Benmoussa, por trás de um projeto polêmico  da discórdia tanto dos discentes, como dos sindicatos dos professores, quadros educativos e famílias, numa reviravolta da nova abordagem do atual estatuto educacional.

Diante de tudo isso,  só os executivos da educação nacional podem  retomar o diálogo com os professores,  meio pelo qual  o impasse  dos coordenadores e das cenas contratuais sobressaem no sentido de resolver a questão do novo estatuto do ensino público.

As informações sobre o ministro Chakib Benmoussa, a educação pública, o nível da crise do setor, e a distância alarmante entre ensino e a prática no processo educacional. Algo  ilógico, quando o aluno, na fase final do ensino primário não sabe ler bem e escrever, ou com problemas de pronúncia de letras.

No nível do bacharelado, comparado ao final do ensino secundário, o aluno revela uma certa autonomia, mas de forma deslocada quanto a análise dos textos literários em árabe ou em francês, e a incapacidade quando se tratar de escrever uma frase corretamente  sem erros, ou analisar uma expressão escrita de forma apropriada.

Para os professores, tais erros acumulados, vergonhosos, referem-se as lacunas, em termos da incapacidade de realizar simples relatórios profissionais.

Assim, o ministério e parceiros consideram a crise da educação, como uma questão estrutural e metodológica, motivo das prestigiadas docências.

Além das demandas das grevistas paralisar o sector da educação no Reino, sem nenhum desfecho no horizonte, capaz de acabar com as greves de forma definitiva, arriscando ao contrário o país entrar numa crise social e econômica, objeto das cinzas obscurecidas do sistema educacional.

Por sua vez, os alunos constituem os últimos a ser prejudicados, dada tensão entre educadores e executivos, na porta dos exames finais daqui seis meses, prejudicando o ano letivo.

Estes exames são também parâmetros para o futuro dos discentes, dependendo da matrícula dos estudantes nos institutos superiores dentro e fora do Marrocos.

A luz desta situação, o que está em jogo, a qualidade da educação, a preparação dos estudantes, as qualificações ​ do pessoal educativo, bem como do governo a manter  a posição em favor dos discentes sem deteriorar ou prejudicar a imagem do ensino público.

Finalmente, o Marrocos, graças ao plano de desenvolvimento, 2015, às instituições educacionais, o conselho nacional de educação, foram certas metas para o setor, contra qualquer paralisação do setor, da retomada das aulas, e contra qualquer hemorragia. Onde os responsáveis ​​do ministério priorizam o diálogo social, para uma educação cidadã, no sentido da  inserção direta na função pública dos professores concursados.

Autor:

Lahcen EL MOUTAQI. Professor universitário, Rabat, Marrocos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio