20 C
São Paulo
sábado, 22 de janeiro de 2022

Biomas brasileiros

A importância dos biomas brasileiros é fundamental nessa discussão sobre os problemas ambientais no Brasil, tais como a queimadas na Amazônia, no Pantanal brasileiros e outros problemas, como o desmatamento do cerrado, realizado de forma agressiva, para a produção de pastagem ou a produção de soja.

Primeiro é necessário entender o papel desses biomas, para poder tomar medidas de proteção que reflita em uma qualidade de vida melhor para os brasileiros que vivam nesses biomas, refletindo na população brasileira como um todo.

Os gestores brasileiros geralmente escolhem os membros da sua equipe pensando mais no lado político do que no lado técnico. Aí começam os problemas de gerenciamento de recursos naturais no Brasil.

Em um dado momento, em meio às pressões sobre o governo por causa das altas taxas de desmatamento na Amazônia, o ministro das comunicações (Fabio Farias), defendeu a política ambiental do presidente Jair Bolsonaro. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados nesta sexta-feira (10/7), apontam que a degradação na Amazônia Legal aumentou 64 % de agosto de 2019 a junho de 2020. Foram 7.540 km, de desmatamento ante 4.589 km, entre agosto de 2018 e junho de 2019. Em entrevista, o ministro afirmou que… “se você chegar em Manaus e pousa, e se você quiser pedir um avião! Ah, eu quero aqui ver a Mata Atlântica. Você fica ali três horas sem parar vendo Mata Atlântica atrás de Mata Atlântica”. Quanto equívoco no pronunciamento de um ministro de um país do tamanho do Brasil!

Esse é um dos tantos casos de pessoal que estão no governo, mas não estão preparados para exercer responsabilidades como gestores de uma determinada política. Não se trata de um caso isolado e nem de um governo específico. É uma tradição no Brasil priorizar o político em detrimento do técnico. Desta forma, fica mais difícil se encarar o problema (ou problemas) nas diferentes áreas de atuação que o país tem que priorizar se quiser voltar a ser protagonista nas questões ambientais mundiais. Deve-se ressaltar que o país será protagonista ou pária, dependendo das escolhas que fizer nas questões ambientais. Não são necessários muitos exercícios ou elocubrações para entender a razão dessas possibilidades. Será protagonista se tomar medidas de proteção dos seus biomas, principalmente da Amazônia. Claro está que a proteção dos outros biomas será muito importante, não só para a comunidade internacional, mas, principalmente, para a população brasileira em geral e para as populações que vivem nesses biomas. Será pária se aprofundar o negacionismo em relação as mudanças climáticas, as queimadas da Amazônia e do Pantanal ou as mentiras que o presidente insiste em reforçar em suas reuniões pelo mundo. Quem não tem lido sistematicamente as afirmações de Bolsonaro em diferentes partes do mundo? Em Dubai, recentemente, com o intuito de atrair investidores para o Brasil, o presidente Jair Bolsonaro voltou a rebater as críticas ao desmatamento no Brasil. Bolsonaro disse ao público presente que um passeio pela Amazônia é algo fantástico… Até aí, nenhuma inverdade! Mas vejamos parte do seu pronunciamento!  

(…) “Até para que os senhores vejam que a nossa Amazônia, por ser uma floresta úmida, não pega fogo”. A declaração aconteceu na abertura do Fórum Invest in Brazil, em Dubai.

De acordo com Bolsonaro, os ataques que o Brasil sofre quando se fala em Amazônia não são justos. O presidente disse aos investidores que mais de 90 % da área está preservada.

“Está exatamente igual quando foi descoberta no ano de 1500”, afirmação de Bolsonaro.

Segundo Erika Berenguer, ecologista com especialização pelas universidades de Oxford e Lancaster (umas das principais cientistas a estudar o funcionamento da floresta tropical) afirma que os resultados dos estudos nesse bioma específico são realmente alarmantes. Estudos tem constatado que, no sudeste da Amazônia, na estação seca, a temperaturas aumentaram 2,5 oC, nos últimos 40 anos. Para ela diferentes pontos da Amazônia estão se movendo em direção ao chamado ponto de inflexão. Se passarmos desse ponto de inflexão, será o fim da Amazônia, ou seja, se instalará um colapso em uma região de maior diversidade do planeta, ou seja, a destruição de um rico bioma brasileiro e mundial. Milhões de pessoas se tornarão refugiados climáticos! Padrões de chuvas serão alterados! Sem chuvas não teremos hidrelétricas, colapsando as indústrias brasileiras!

O Brasil, por sua dimensão, é constituído por seis biomas. Compreender o que é um bioma e conhecer as espécies que nele vivem é fundamental para a criação de medidas que visam à conservação dessas áreas.

Afinal! O que são biomas? Segundo o IBGE: “um conjunto de vida vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e que podem ser identificados em nível regional, com condições de geologia e clima semelhantes e que, historicamente, sofreram os mesmos processos de formação da paisagem, resultando em uma diversidade de flora e fauna própria”.

Bioma é o conjunto dos seres vivos de uma área. É entendido também como o conjunto de ecossistemas terrestres. É na biosfera que se encontram os biomas, associações relativamente homogêneas de plantasanimais e outros seres vivos com equilíbrio entre si e com o meio físico.

Esta palavra foi criada por um ecólogo norte americano chamado Frederic Clements, que definiu bioma como uma comunidade de plantas e animais, geralmente de uma mesma formação. Desde a sua criação, bioma vem sofrendo algumas modificações e muitas definições.

Existem diferentes biomas no Brasil e no mundo, cada um com suas espécies características e, algumas vezes, únicas. Por ser uma região natural que engloba toda a biodiversidade de uma área, além de fornecerem recursos para a população da região, os biomas devem ser protegidos e usados de maneira adequada.

Entretanto, o que se percebe é um crescimento descontrolado das grandes cidades, desmatamento, avanço de propriedades agrícolas e rurais nas áreas selvagens, além do uso indiscriminado dos recursos naturais dos biomas. Apesar do desenvolvimento de um município, uma cidade ou um país ser necessário, é importante se criar estratégias para que esse desenvolvimento ocorra de maneira sustentável.

Foram criadas unidades de conservação, no Brasil, com o objetivo de ajudar na preservação desses biomas. Entretanto, as medidas tomadas são muito débeis diante da pressão que esses biomas sofrem por especuladores e oportunistas de plantão.

O Brasil tem 66 % de cobertura de vegetação nativa, considerando também as áreas que já foram desmatadas e estão se regenerando. Essas vegetações são os chamados biomas brasileiros, cada qual com sua característica típica, em distintas partes do país.

Amazônia, Pantanal, Caatinga, Cerrado, Pampa e Mata Atlântica são os seis biomas brasileiros, que conhecemos desde a escola, mas que com o passar dos anos vem passando por devastações e são impactadas geograficamente. Conheça as peculiaridades de cada vegetação brasileira e em que região elas se encontram. 

Cada um desses biomas abriga diferentes tipos de vegetação e fauna, sendo a vegetação um dos componentes mais importantes da biota. Seu estado de conservação e de continuidade definem a existência ou não de hábitats para as espécies, a manutenção de serviços ambientais e o fornecimento de bens essenciais à sobrevivência de populações humanas.

A floresta equatorial brasileira ocupa, aproximadamente, a metade do território brasileiro. Está concentrada na região norte e em parte da região centro-oeste. Este bioma (Amazônia) é influenciado pelo clima equatorial (baixa amplitude térmica e grande umidade).

Neste artigo foi dado ênfase ao bioma da Amazônia exatamente pelo seu tamanho e por sua importância, além da pressão que vem sofrendo ao longo dos anos por diversos interesses escusos aos interesses da região.

Outro bioma que sofreu pressões severas e praticamente desapareceu foi o bioma da Mata Atlântica. Trata-se de uma floresta tropical do Brasil. Por estar localizada na faixa litorânea sofreu grande pressão a partir da entrada dos europeus na América do Sul, consequentemente no Brasil. Grande parte da vegetação original foi devastada, cedendo lugar a intensa ocupação do litoral. Este bioma se estende desde o Piauí até o Rio Grande do Sul, sendo constituída por uma floresta densa, praticamente com as mesmas características da floresta amazônica. No decorrer dos anos a exploração da madeira, a implantação de cidades (São Paulo está localizada dentro desse bioma) e outras explorações, dizimaram com essa vegetação. Há projetos de recuperação desse bioma, mas jamais será como o bioma original.  

O Cerrado é um bioma incrustrado na região centro-oeste, nordeste e sudeste. Bioma característico de clima tropical continental, com duas estações bem definidas.

O Cerrado é, depois da Mata Atlântica, o ecossistema brasileiro que mais alterações sofreu com a ocupação humana. Um dos impactos mais graves da região foi causado por garimpos, que contaminam os rios com mercúrio e provocam o assoreamento dos cursos de água. A erosão causada pela atividade mineradora tem sido tão intensa que, em alguns casos, chegou a impossibilitar a própria extração do ouro rio abaixo.

A Caatinga estende-se por todo o sertão nordestino. Ocupa 11 % do território nacional. Trata-se da região mais seca do país, localizando-se na zona de clima tropical semiárido.

O bioma, denominado Pampas, localiza-se no extremo sul do Brasil, no Rio Grande do Sul. Este bioma é influenciado pelo clima subtropical e por sua extensa planície. Devido ao clima seco e frio a vegetação não se desenvolve, sendo constituída por gramíneas (capim-barba-de-bode, capim-gordura, capim-mimoso).

Por último o bioma Pantanal. Trata-se da maior planície inundável do país, localizado no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. É influenciado pelos regimes dos rios presentes nesses lugares. Durante o período chuvosos (outubro a abril) a água do pantanal alaga grande parte da planície da região.

Como resultado da expansão das atividades agropecuárias e da urbanização no país, todo os biomas correm riscos de extinção, caso sejam mantidos os mesmos padrões de exploração que vem ocorrendo a partir, principalmente, do incentivo ao desenvolvimento do país, baseado em um padrão para todo o território brasileiro.

Alguns dos principais problemas mais recorrentes, enfrentados pelos biomas brasileiros (Fonte: https://www.letrasambientais.com.br): 1) desmatamento (atingi praticamente todos os biomas brasileiros, geralmente para atender a diferentes objetivos ligados a expansão econômica. Consequência: perda da biodiversidade, aumento do risco de animais silvestres e redução dos serviços ecológicos prestados pela floresta como a manutenção do clima e do ciclo hidrológico); 2) agropecuária (a expansão da agropecuária tem sido o “motor central” da devastação dos ecossistemas dos biomas brasileiros. Trata-se de uma conversam perversa da vegetação natural em áreas de lavouras e pastagens); 3) mineração (graves consequências ambientais, como a contaminação dos solos e das águas); 4) desertificação (ameaça principalmente a Caatinga, um dos biomas mais degradados do país. Trata-se de um bioma mais suscetível ao processo de desertificação, em razão de fatores naturais e antrópicas; 5) caça ilegal e pesca predatória (ações propulsoras para a perda da diversidade genética nos diversos biomas, provocando a extinção das espécies e desorganizando a cadeia alimentar dos ecossistemas); 6) megaprojetos de infraestrutura (provocam impactos ambientais nos diferentes biomas brasileiros. Construção de hidrelétricas, bem com barragens, usinas de grande porte e aberturas de rodovias, afetam os principais rios brasileiros e degradam a vegetação nativa do bioma); 7) queimadas (em sua maior parte de origem antrópicas. É o resultado, geralmente, de desmatamentos, sendo um vetor de devastação dos biomas); 8) poucas áreas de conservação (as unidades de conservação são fundamentais para manter a saúde ambiental dos ecossistemas e biomas); 9) mudanças climáticas (neste século as alterações ambientais irão provocar a ocorrência de eventos extremos, como secas intensas e frequentes, bem com aumento de temperaturas, desmatamento e queimadas).

Dessa forma, pode-se observar o quanto é importante a preservação desses biomas, para que o futuro do país esteja garantido para as gerações constituídas por nossos filhos e netos. A questão do desenvolvimento a qualquer preço tem que ser repensada, pois dependemos dos recursos naturais para mantermos o sistema climático equilibrado e a vida possível no planeta Terra. Essa é a nossa casa e assim, temos que cuidar muito bem dela!

Autor:

Jonas Nery

Deixe uma resposta

Leia mais

Tempos incertos

Duas de mim: uma coluna particular

Prevenção e controle de riscos

A copinha