20 C
São Paulo
sábado, 22 de janeiro de 2022

Bombing Love Narcisista

Segundo Dr Kurt Mendonça Neurologista, Neurocirurgião, Psicanalista e Especialista em Narcisismo Perverso, também formado em Direito Penal, e professor de Medicina Legal, autor do livro “Guia de Sobrevivência para Vítimas de Narcisismo Maligno”, existe uma estimativa de mais ou menos 10 % de pessoas no meio social, com Transtorno de Personalidade Anti-social Narcisista.

 Estes estão por toda a parte, e na maioria das vezes passam despercebidos pela maior parte de nós, porém estas pessoas malignas estão ali, enredando, invalidando , subjugando e adoecendo as suas vítimas na ciranda da manipulação.

 No início do relacionamento “eles” com o intuito de aprisionar as suas vítimas, já tem em mente traçado o plano da perversidade chamado Bombing Love, descritos pelos especialistas da área, como a forma de manter o controle possessivo e cego da sua vítima fazendo com que esta permaneça em relacionamentos tóxicos, doentios na esperança de um dia ter de volta o Bombing Love do início ( primeiro amor). Ou seja, todo amor carinho desprendido pelo mesmo no início do relacionamento que possuem um único objetivo, alienar aquele que inconscientemente cair neste enlace do mal travestido de boas intenções.

 E não importa a que esfera social a vítima faça parte, todos estamos propensos a cair, é um jogo de poder planejado milimetricamente para atrair a vítima seja ela homem, ou mulher para sua sinistra teia de aranha, são ofertados presente, elogios, admiração, companhia, mensagens, ligações todos os dias, disposição para ouvir, e acolhimento a esta presa, bem como a resolução de todos os seus problemas no intuito de ganhar a sua confiança, e tornar indispensável em sua vida.

 E estas, na sua maioria, já vêm de relacionamentos e famílias disfuncionais, abarrotadas de violências, abusos e carências emocionais, no entanto, e sem entender o porquê entregam (abrem) a sua vida, e a suas emoções incondicionalmente nas mãos destes seres malignos.

Estes chegam a colocarem-se como essenciais nas vidas daqueles que cair em suas engenhosas armadilhas, e proferem palavras como; sem você eu não vivo, achei o homem, ou mulher da minha vida, como não lhe encontrei antes, por onde você andou, onde você esteve todo este tempo?

A essa altura a vítima já foi fisgada e viciada neste ser oco,  vazio e sem âmago desprovido de amor, respeito, de qualquer tipo de vínculo emocional, compaixão ou empatia, faz coisas, ou tem comportamentos inacreditáveis buscando validação por parte dos mesmos.

 Ela, a vítima, fará de tudo da não perder este ser maravilhoso que apareceu de pára-quedas em sua vida, eles dirá tudo que ela deseja ouvir, são a princípio extremamente carismáticos, carinhosos, bem visto, têm boas influência no meio social em que vivem, alguns são provedores, chefes de família com conduta e reputação “ilibada” acima de qualquer suspeita. Possuem o álibi de ter bons relacionamentos, e aparentemente boas condutas sociais, porém esta é a forma fria e calculista que encontram de espoliar, e por suas vítimas em cativeiro.

Uma vez que já conquistou a vitima, o enredamento será para conquistar a sua família, e subseqüentes os amigos próximos, e o passo seguinte será subjugar, invalidar, rejeitar e anular qualquer tentativa destas vítimas de ser vista como pessoa, levando esta a dissonância cognitiva, e até mesmo ao suicídio.

 Muitas não se reconhecem mais, já perderam a identidade e não sabem quem são, sentem-se culpadas, fracassadas, sem perspectivas e perderam a esperança de dias melhores e o gosto pela vida.  Até mesmo diante de um Juiz estas se passam por loucas (os) tamanha é a manipulação praticada por estes seres ardilosos.

O mais intrigante de tudo isso, é que a vítima ao tentar provar que sofreu os mais diversos tipos abusos, seja ele físico, psíquico, emocional, familiar, patrimonial, financeiro ou moral, fez de tudo para não desagradar o seu abusador, na esperança dele mudar, e o saldo é ela não consegue, pois há muito descrédito, e escassez de profissionais preparados para dar suporte à pessoas vítima de abusadores perversos.

O sentimento que melhor define o que elas sentem é de total incompreensão, desamparo emocional, enquanto eles estão às soltas por aí, em busca de tragar novas vitimas.

Autora:

Marta Germano:  Esposa, Servidora Pública, Cuidadora Infantil de 0 a 7 anos, Técnica em Enfermagem, Acadêmica de Serviço Social, e uma apaixonada estudante informal da Psicanálise.

Deixe uma resposta

Leia mais

Tempos incertos

Duas de mim: uma coluna particular

Prevenção e controle de riscos

A copinha