17.7 C
São Paulo
quinta-feira, 6 de maio de 2021

Depressão: Suicídio em Tempo de Pandemia COVID-19

Cecy Calacina – Psicóloga Clínica CRP 20ª03309 – Escritora do livro “Amor Narcísico” – em Lisboa – Portugal – com Mestrado em Estudo Sobre a Europa.

Ao tratar de temas tão importantes, como depressão e Covid 19, neste artigo, de forma objetiva, chamamos a atenção da população e poderes constituídos, executivo e legislativo, que possam desenvolver políticas públicas, para lidar com a angústia das perdas que envolvem às famílias brasileiras, pós covid. Entendemos a necessidade de intensificar as atividades governamentais referentes à proteção mental, de forma mais efetiva. Especialmente no que diz respeito à juventude, como é sabido, a depressão é uma patologia que leva a população mundial ao desespero e sofrimento. A referida doença é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde – OMS como mal do século, isso antes da pandemia covid 19, dados mostram que 322 milhões de pessoas no mundo sofrem com o transtorno depressivo. É importante lembrar que essa patologia incapacita o ser humano, sendo uma doença somática, e tem estatística altamente elevada de suicídios, principalmente entre os jovens.

No Brasil, a depressão avança e já ocupa o primeiro lugar na América Latina, comparado ao resto do mundo, fica atrás somente dos Estados Unidos da América, que é líder no ranking mundial. Importante pesquisa, elaborada pela Faculdade de Medicina de São Paulo, identificou que 30% da população sofre de alguma patologia mental, de modo, que a cada dez paulistas, três estão doentes de depressão, ou ansiedade, enquanto que 1/3 relatou prejuízo no trabalho. Nesta mesma linha, é importante lembrar, que em 2016, o número de suicídios no Brasil atingiu 11.433 pessoas, ocorrendo a cada 46 minutos. Como se vê, o suicídio representa uma das maiores perdas, principalmente entre jovens na faixa etária de 15 a 29 anos, cujo número é bastante elevado por estarem mais receptíveis aos pensamentos intrusivos, no que diz respeito as neuroses depressivas.

Na coexistência, a Covid 19 passa pelo mundo impactando a economia, empregos, educação, cultura, esportes, arte, e principalmente, a vida das pessoas, com perdas de entes queridos, sem que a família possa estar presente no último momento de quem ama, dessa forma, são impedidos de realizarem o velório de seu vínculo relacional, levando a um luto mal elaborado, tendo em vista que é no velório que se inicia a primeira fase do luto.

A sociedade enfrenta diversos tipos de perda: por morte, perda de emprego, perda de amigos, família, pessoas da afinidade, e outras perdas, como a moradia, mudanças de endereço e dificuldade financeira. A combinação dos fenômenos, acarretam a redução da autoestima, o sentimento de si fica comprometido. Fato que desencadeia os pensamentos intrusivos, que são destruidores da autoconfiança e caminho para a ansiedade, depressão e possibilidades de suicídio. Além das perdas de vidas, há o prejuízo no sentido que população brasileira tenha dificuldade no momento de desenvolver o foco necessário para recomeçar pós pandemia covid 19, de modo, que conflitos poderão aparecer. Entendemos que uma saída prática e eficiente, seria o investimento das famílias e políticas públicas no psicossocial.

Autora:

Cecy Calacina

Psicóloga Clínica CRP 20ª03309 – Escritora do livro “Amor Narcísico” – em Lisboa – Portugal – com Mestrado em Estudo Sobre a Europa.

6 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns para equipe do jornal Tribuna ,por aportar um tema muito importante para todos da sociedade.
    Parabéns psicóloga cecy calacina pelo belíssimo trabalho👏🏻👏🏻

  2. Parabéns ao Jornal tribuna, ao trazer uma matéria tão séria e importante nesse momento em que vivemos, que trabalho maravilhoso da Cecy Calacina.

  3. Parabéns, excelente texto. E importante tratar de tal assunto, visto que com a pandemia os números de casos de depressão e suicídio aumentaram e muito.

Deixe uma resposta

Leia mais

%d blogueiros gostam disto: