26.8 C
São Paulo
sábado, 15 de junho de 2024

TAG

astronomia

Cozinha da Ofélia, Mike Tyson e a confusão no ar

A Comemoração dos 5 anos da formatura do Colégio foi num bufê próximo à casa de Ritinha, namorada de Stan, que é primo de...

50 anos atrás, Copérnico da NASA estabeleceu o padrão para a astronomia espacial

O Observatório Astronômico Orbital C – chamado Copernicus em órbita – fica na sala limpa do Hangar AE na Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, na Flórida, após a montagem de seus painéis solares estacionários. Copérnico era o único membro da série que ostentava as grandes estruturas cilíndricas no topo da espaçonave, que impediam que a luz difusa chegasse aos instrumentos.

Planetas Recém-Descobertos À Beira Da Destruição

Maunakea, Havaí – Três planetas recém-descobertos orbitam perigosamente perto de estrelas que estão chegando ao fim de suas vidas. Dos milhares de planetas extra-solares encontrados até...

Telescópio de espelho líquido começa a operar.

Os telescópios com espelho líquido são telescópios com espelhos feitos com um líquido reflexivo. O líquido mais comum usado é o mercúrio, mas outros líquidos também funcionam.

Vela solar apoiada pela NASA pode levar a ciência a novas alturas

Velas solares são um tipo de propulsão que utiliza pressão de radiação para gerar aceleração. Elas são feitas de grandes espelhos membranosos de pouca massa que ganham momento linear ao refletirem fótons.

As estrelas de nêutrons

Na astronomia, a estrela de nêutrons é um objeto astronômico super denso, composto quase que inteiramente de nêutrons, que possui alta velocidade e temperatura, forte gravidade e campos magnéticos.

Entenda a imagem do buraco negro Sagitário A*

(Sgr A* - sigla), é uma fonte de rádio astronômica brilhante e muito compacta localizada no centro da Via Láctea, perto da fronteira das constelações de Sagitário e Escorpião. É parte de um objeto astronômico maior conhecido como Sagittarius A. Acredita-se que Sagitário A* seja a localização de um buraco negro supermassivo, como aqueles que geralmente estão nos centros da maioria das galáxias espirais e elípticas. As observações da estrela S2 em órbita ao redor de Sagitário A* foram usadas para mostrar sua presença e produzir dados sobre o buraco negro supermassivo central da Via Láctea e levaram à conclusão de que Sagitário A* é o local deste buraco negro. O buraco negro explodiu quase 3,5 milhões de anos atrás, devido a uma grande nuvem de hidrogênio caindo no disco de material rodopiando perto do buraco negro central.

O Planeta Terra e seus 14 movimentos

Os 14 movimentos da terra I. Rotação: realiza-a em torno do s/ eixo em 23 horas, 56 minutos e 4,09 segundos. II. Translação ou Revolução: executa-a ao redor do Sol, em 365 dias 5 horas, 48 minutos e 45 segundos(365,25636 dias),com a velocidade de 29,8km por segundo, perfazendo 965 milhões de quilômetros, em sua órbita solar.

Expansão da aceleração do Universo sofre novo revés

A expansão métrica do espaço-tempo ou expansão métrica do universo é uma peça chave da ciência atual para compreender o Universo, através da qual o próprio espaço-tempo é descrito por um Tensor métrico que relaciona-se com o tempo de tal maneira que as dimensões espaciais parecem crescer ou estender-se à medida que o Universo envelhece. Explica como se expande o Universo no modelo do Big Bang, uma característica de nosso Universo suportada por todos os experimentos e observações cosmológicas, cálculos astrofísicos e medidas até agora. A métrica que descreve formalmente a expansão no modelo padrão do Big Bang designa-se como Métrica de Friedman-Lemaître-Robertson-Walker ou Modelo FLRW. A expansão do espaço é conceitualmente diferente de outros tipos de expansões e explosões que são vistas na natureza. Nossa compreensão do "cenário do Universo" (o espaço-tempo) necessita que o espaço, o tempo e a distância não sejam absolutos, senão que são obtidos a partir de uma métrica que pode modificar-se. Na métrica de expansão do espaço, mais que objetos num espaço fixo distribuindo-se até o vazio, é o espaço que contém os objetos e que está modificando-se propriamente falando. É como se os objetos não se movessem por si mesmos, é o espaço que está "crescendo" de alguma maneira entre eles. Devido a que é a métrica que define a distância que está alterando-se mais que os objetos movendo-se no espaço, esta expansão (e o movimento resultante são objetos afastando-se) não está limitada pela velocidade da luz, limitação esta que é resultante da relatividade especial. A teoria e as observações sugerem que muito no princípio da história do Universo houve uma fase "inflacionária" onde esta métrica alterou-se muito rapidamente. A dependência do tempo restante que observamos desta métrica é a assim chamada expansão de Hubble, quantificando o afastamento de todos os objetos gravitacionalmente relacionados no Universo. O Universo em expansão é portanto uma característica fundamental do Universo em que habitamos, um Universo fundamentalmente diferente do Universo estático que Albert Einstein considerou ao princípio quando desenvolveu sua teoria gravitacional.

Astrônomos descobrem a maior molécula já encontrada em um disco de formação planetária.

Esta pesquisa foi apresentada no artigo "A grande armadilha de gelo assimétrica em um disco de formação de planetas: III. Primeira detecção de éter dimetílico" ( doi: 10.1051/0004-6361/202142981 ) para aparecer em Astronomy and Astrophysics . Esta publicação foi lançada no Dia Internacional da Mulher 2022 e apresenta pesquisas realizadas por seis pesquisadores que se identificam como mulheres. A equipe é composta por Nashanty GC Brunken (Observatório de Leiden, Universidade de Leiden, Holanda [Leiden]), Alice S. Booth (Leiden), Margot Leemker (Leiden), Pooneh Nazari (Leiden), Nienke van der Marel (Leiden), Ewine F. van Dishoeck (Observatório de Leiden, Max-Planck-Institut für Extraterrestrische Physik, Garching, Alemanha) O Observatório Europeu do Sul (ESO) permite que cientistas de todo o mundo descubram os segredos do Universo para o benefício de todos. Projetamos, construímos e operamos observatórios de classe mundial no solo - que os astrônomos usam para resolver questões interessantes e espalhar o fascínio da astronomia - e promovemos a colaboração internacional em astronomia. Estabelecido como uma organização intergovernamental em 1962, hoje o ESO é apoiado por 16 Estados-Membros (Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, França, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Itália, Países Baixos, Polónia, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido), juntamente com o estado anfitrião do Chile e com a Austrália como Parceiro Estratégico. A sede do ESO e seu centro de visitantes e planetário, o ESO Supernova, estão localizados perto de Munique, na Alemanha, enquanto o deserto chileno de Atacama, um lugar maravilhoso com condições únicas para observar o céu, hospeda nossos telescópios. O ESO opera três locais de observação: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera o Very Large Telescope e o Interferometer do Very Large Telescope, bem como dois telescópios de pesquisa, o VISTA trabalhando no infravermelho e o VLT Survey Telescope de luz visível. Também no Paranal, o ESO hospedará e operará o Cherenkov Telescope Array Sul, o maior e mais sensível observatório de raios gama do mundo. Juntamente com parceiros internacionais, o ESO opera o APEX e o ALMA em Chajnantor, duas instalações que observam os céus na faixa milimétrica e submilimétrica. Em Cerro Armazones, perto do Paranal, estamos a construir “o maior olho do mundo no céu” – o Extremely Large Telescope do ESO. De nossos escritórios em Santiago,

Latest news