19.1 C
São Paulo
quarta-feira, 12 de junho de 2024

Estratégias para Prevenir a Síndrome de Burnout nas Organizações

Tem se falado muito nestes últimos tempo em stress e síndrome de burnout.  A síndrome de burnout, também conhecida como síndrome do esgotamento profissional, é um distúrbio psíquico relacionado à exaustão extrema, principalmente associada ao trabalho. Ela afeta quase todas as facetas da vida de um indivíduo e muitas vezes o próximo passo para complicações maiores como depressão.

Ambientes corporativos que expõe seus funcionários a altas cargas de trabalho ou pressão por cumprimentos de metas, quase sempre arrojadas são os que mais contribuem para que pessoas fiquem cada vez mais exaustas.

O afastamento de profissionais no Brasil tem sido um problema. Segundo pesquisas cerca de 30% dos trabalhadores brasileiros sofrem com a síndrome sendo que a maioria dos casos ocorrem em profissionais de menos de 30 anos. O problema é tão sério que o Brasil apenas fica atras do Japão em casos de burnout onde o problema já afeta 70% dos profissionais.

Sendo assim é dever dos líderes implantarem programas que previnam e reduzam a presença da síndrome de burnout nas suas equipes. Algumas ações que podem ser adotadas para reduzir esses efeitos. Uma das ações é verificar a carga frequentemente a carga de trabalho de suas equipes, priorizando a qualidade do serviço que é feito lembrando que a qualidade cai quando o profissional está envolvido em muitas tarefas. Outra dica é revisar as tarefas para verificar o que realmente precisa ser feito em um ritmo de urgência.

Por fim uma boa dica é priorizar o bem-estar do trabalhador, incentivando momentos de descontração, programa de ginástica laboral, palestras sobre nutrição, saúde mental e física. Também é uma boa ideia flexibilizar o trabalho como por exemplo alguns dias em home office ou folgas programadas.

Por último lembre-se que que o líder pode sempre pesquisar maneiras inovadoras e eficazes de executar as tarefas de modos diferentes, ver as coisas de maneiras diferentes, aprender com momentos de desafio e dúvidas utilizando um estilo de gestão antifrágil onde a capacidade de prosperar e se fortalecer diante da adversidade e da incerteza esteja sempre presente.

Você não será capaz de impedir que seu colaborador seja acometido pela síndrome de burnout, mas seu apoio e ações de acolhimento podem fazer a diferença na prevenção e redução do burnout. Vamos refletir e sucesso!

Pedro Paulo Morales
Pedro Paulo Morales
Graduado em gestão |Especialização em PSC- Professional and Self Coaching | Jornalista

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio