22.2 C
São Paulo
segunda-feira, 15 de abril de 2024

Prisioneiro…

Noite fria.

Houve tempestade.

Arvores se quebraram.

Pessoas morreram.

Não consegui chorar.

Triste talvez. Nada mais…

Sou só há muito tempo.

Tempo suficiente para secar as lágrimas.

Vejo a dor nos outros.

Mas nada sinto. Talvez compaixão…

Sou imunizado pela solidão.

Na verdade, prisioneiro

No fundo espero a alma gêmea.

Aquela que quebra o cadeado.

Arrebenta a pedra de gelo frio e seco.

E liberta esse coração petrificado.

Autor:

Jaeder Wiler

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio