23.7 C
São Paulo
sábado, 24 de fevereiro de 2024

Parceria Marrocos-Emirados e o desenvolvimento das regiões do sul do Reino

O soberano de Marrocos, Mohammed VI, realiza uma visita histórica ao convite do Xeque Mohammed Bin Zayed Al Nahyan dos Emirados Árabes Unidos,  de 3- 6 de Dezembro de 2023, acompanhado por  um importante staff, de Conselheiros, Ministros, diretores e executivos, representando os setores socioeconômicos, políticos, industriais, e financeiros e investidores…

Tal visita oficial do soberano veio no meio de uma série de desafios internacionais, Guerra na Palestina e situações socioeconômicas difíceis, o  Rei Mohammed VI e o Xeque Mohammed Bin Zayed Al Nahyan conscientes, para promover  uma parceria histórica, base dos requisitos para o desenvolvimento do Saara marroquino, tendo em vista as infra estruturas, aeroportos, auto estradas, energia solar e porto de Dakhla, bem como os projectos turísticos e imobiliários. É o que os dois países pretendem num projeto integrado na região de “Dakhla, como porta de entrada para o Saara” e a título do projecto do gasoduto África-Atlântico.

Esta parceria e projetos têm por objetivo, por outro lado, a questão socioeconômica e o plano  de desenvolvimento das regiões do sul, após o colonialismo espanhol, 1975.  

Tornar esta região do sul uma plataforma de desenvolvimento, depende da estratégia marroquina e das províncias do sul, onde o Marrocos consagra seus grandes  setores transformadores da riqueza nacional, o Saara, uma área árida regional, a ser atractiva ao investimento e a produção industrial, onde o projeto Emirado-Marroquino tornou-se uma peça principal numa visão real junto à costa atlântica do sul do Reino.

Dinamismo e projetos promissores

Esta  visita do Rei Mohammed VI aos Emirados Árabes Unidos veio para dar novo sangue às relações Marroquino-Emirados em todos os níveis, no nível político e econômico. Os  Emirados Árabes Unidos são parceiros do Marrocos,  no quadro de financiamento dos grandes projectos, das infra-estruturas, dos portos, dos aeroportos, das estradas, da energia, do turismo, além de projetos financeiros e empresariais.

Lembra-se da abertura do Consulado Geral dos Emirados Árabes Unidos na cidade marroquina de Dakhla, Novembro de 2020, um gesto histórica, deste país do Golfo pérsico, reconhecendo a soberania do Marrocos sobre o saara, constituindo um dinamismo particular ao desenvolvimento das províncias do sul, aos novos horizontes e oportunidades do megaprojeto dos investimentos, dos capitais estrangeiros e produção regional, no nível continental e internacional.

Esta nova parceria de Marrocos-Emirados é um exemplo nos planos das relações internacionais,  do desenvolvimento do Saara marroquino,  dos centros de interesses aos grandes projectos, como Aeroporto de Dakhla, da planificação do porto mediterrânico de Dakhla, da Autoestrada do sul, da energia solar e eólica, além da dessalinização de água do mar, e de outros projetos em andamentos turísticos e imobiliários. Tudo isso passa por uma cooperação com as regiões, Dakhla e Tarfaya, num processo de desenvolvimento integrado, onde Dakhla envolve o projeto Gateway a África; frota naval comercial das regiões, sob a visão do gasoduto África-Atlântico.

Tais projetos promissores suscitados pelo Saara marroquino, como plataforma económica regional, porta de entrada ao Atlântico sul, que o rei Mohammed VI no seu último discurso, defende numa dimensão estratégica e peso geopolítico, dos planos e programas do desenvolvimento sustentável das regiões do sul, num estágio de renascimento do processo de transformação industrial.

Trata-se ainda dos investimentos dos Emirados no Saara marroquino, longe de qualquer dúvida sobre exploração ou desindustrialização, abrindo, portanto, o caminho ao afluxo de outros investimentos estrangeiros do Golfo, bem como da posição e acesso a África via o Saara marroquino.

Parceria duradoura e oportunidade histórica

O interesse da parceria de Marrocos-Emirados parte da visão de Marrocos e Emirados Árabes Unidos, dando um novo fôlego a um conjunto de sectores estratégicos, programando trabalhos precisos e específicos no tempo e no espaço, para as regiões do sul no sentido de fortalecer os projectos quadros, das regiões do sul, no âmbito do plano do desenvolvimento regional das regiões do sul, 2015.

Tais regiões marroquinas do Saara abrem também caminho aos investimentos, no sentido das regiões  do Reino, em termos de projectos de desenvolvimento comunitário, colmatar distâncias e distribuições equitativas de investimentos a nível nacional, regional e continental, aprovando, por outro lado uma nova carta de investimento estrangeiro, dos projectos de reforma, do processo de produção socioeconômico e investimentos nos sectores prioritários da economia nacional.

O Reino preocupa-se em como enfrentar os desafios históricos, do desenvolvimento, da produção, de contornar as crises de seca e inflação, alcançando uma descolagem económica dos sectores, isto é numa posição de reestruturação, da preparação para acolher o Campeonato do Mundo de 2030, ao lado de Portugal e Espanha, constituindo sem dúvida a abertura sobre os investimentos, sobre a visão real sem outro meio a não ser colher os frutos de uma política integracionista,  após a ascensão do rei Mohammed VI ao trono, avançando em prol dos programas de protecção social, de reforma do sistema de saúde, da industrialização, de reforma judiciária, fiscal e financeira,  bem como da confiança dos investidores estrangeiros e dos países do Golfo a investir no Marrocos.

Finalmente, apesar das oportunidades de investimento estrangeiro no mundo, cada vez mais delimitadas, devido aos obstáculos ligados as guerras, golpes, crises etc, e de uma série de indicadores, fatores geopolíticos e mudanças de posições de muitos países, torna-se Marrocos sob a liderança do rei, Mohammed VI, um parceiro que se abre e se constrói sob a imagem de produção da riqueza a nível de reformas socioeconômicas, direitos, instituições de democracia, transparência, graças a um arsenal jurídico sólido, caso da nova carta de investimento e abordagem estratégica, ganhar-ganhar, titulo de projetos de desenvolvimento, atuais e futuros, para as regiões do sul ou outras regiões do reino.

Autor:

Lahcen EL MOUTAQI

Professor universitário- Rabat, Marrocos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia mais

Patrocínio