17.8 C
São Paulo
sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

A “PORTA GIRATÓRIA” NA VIDA E TRAJETÓRIA DA IGREJA EVANGÉLICA.

Agências bancárias sem portas giratórias multadas de Manaus | Amazônia na  Rede

“… Quando eu era criança pensava como menino, sentia e falava como menino. Quando cheguei a idade adulta deixei para trás as atitudes próprias das crianças”. 1ª Aos Coríntios, 13:11-12. Bíblia: King James.

De acordo com o último senso Estatístico divulgado pelo (IBGE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Os “Evangélicos” (Protestantes) no Brasil correspondem à 22/33% da população brasileira.

Isto traduzido em números práticos, são 42 milhões de pessoas. Conquanto, isto venha a ser “verdade” a História tem sido como: Uma Grande “Porta Giratória” na vida da Igreja Evangélica. Se você ir ao banco, e/ou qualquer outro lugar, em que pese, você tenha que passar por uma porta giratória, em questão de segundos, você deixa de estar do lado de fora, e imediatamente você estará do lado de dentro. Assim é a História, não apenas em nossas vidas, como também, na própria história das Instituições, em especial; como apresentado no título deste texto, na própria vida da Igreja.

Cabendo ressaltar, conforme apresentado nas Escrituras Sagradas: “… Um dia para Deus é como mil anos, e mil anos é como uma dia”. 2ª Epístola de Pedro. 3:08. Ou ainda, como relatado na Epístola de Tiago: “Contudo, vos não tendes o poder de saber, o que acontecerá amanhã … sois simplesmente como a neblina, que aparece por um tempo, e logo se dissipa”. Epístola de Tiago, 4:14.

“a história é a porta giratória, na vida da igreja”.

AUTOR.

Quantas coisas se passaram, desde o dia em que nascemos? Não somente termos nascido para a vida, mas sobretudo; em Cristo e para Cristo. Pois, contrário ao homem natural, o espiritual nasce duas vezes, para a vida (mundo) e para Cristo (Deus). Contudo, esta seja a tônica dos que professam à Cristo, também, desde seu nascimento até os dias de hoje, quantas coisas já se passaram pela vida da igreja? Desde o Dia de Pentecostes passando pela Diáspora, chegando em Constantino, a “Reforma” Protestante em Lutero (1517), os Movimentos Evangelísticos sustentados pelo despertamento espiritual, (Avivamentos) dos Séculos 17 e 19, além de homens notáveis, como: Charles Spurgeon, Jonathan Edwards, Moody, apenas para citar alguns, típicos do Protestantismo Anglo – americano chegando pela América, até os primeiros sinais evangélicos no Brasil? A porta giratória da História girou! Continua girando e aqui chegamos! Assim como em nossas próprias vidas, também; na vida da Igreja, seja pela cronologia do “Cronos” ou pelas vivências do “Kairós” o tempo passou continua passando, e tudo que vivenciamos, permanece nos anais da História, mas sobretudo; em nossas memórias, como “Um dia” ou Décadas, Séculos e Milênios. O tempo passou, porém; as imagens da História, ainda permanecem gravadas nas memórias, tanto nas nossas, como também, na “memória” da Igreja.

“a história é a “porta giratória na vida da igreja”.

AUTOR.

“… Quando eu era criança, sentia como criança e Pensava como criança. Agora que sou adulto parei de agir como criança”.

Será que o tempo, pelo menos os dois mil anos que a Igreja passou, e/ou; se passaram, na vida da Igreja traduz uma Igreja com grau de maturidade espiritual condizente com tudo aquilo que passou?

Nilismo do Latim “Nihil” significa “nada” assim, o vocábulo “nilismo” converge para o sentido de uma redução ao nada, um aniquilamento, uma descrença absoluta. ZIMERMAN (2012) Será que como consequência de uma Igreja “madura” cronologicamente, mas imatura, na sua essência não vivemos um certo “Nilismo” olhando pelo prisma espiritual da Igreja? Considerando que o “progresso” nem sempre signifique progresso, mas ás vezes, pode servir de “capa” para uma igreja “Farisaica” e Demagoga? Demagógos é um termo Grego formado pela conjunção “Demos” (povo) + “Agogôs” (Conduzir para) principalmente políticos que não tem compromisso com as “verdades”, mas sim; com seus interesses pessoais, de modo, que com discursos inflamados procuram conduzir o pensamento e a conduta do povo, para determinada direção que lhes convém?”. ZIMERMAN (2012, p. 102). Pergunto: Há alguma semelhança com as práticas “pastorais” de um grande número dos pastores evangélicos, em particular, os chamados: “Pastores eletrônicos?”. Há alguma semelhança com Igrejas transformadas em promotoras de “espetáculos políticos” dentro de seus templos? Não estamos vivendo um “Nilismo” espiritual dentro das Igrejas? Um “aniquilamento da fé, da verdade e do verdadeiro Evangelho? Ou Deus é “conivente” com aquilo que estamos presenciando? Um dos sinais de retrocesso mental, espiritual e comportamental das igrejas hoje, não é o enriquecimento pessoal de muitos “pastores”, os quais, em muitos casos estão transformando a casa de Deus em casa da moeda? Ou será que estamos vivendo, aquilo que apregoa Apocalipse Capítulo 3?

“Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!

Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego e que está nu.

Apocalipse 3:17 Será que estes versos não traduzem aquilo que estamos vendo e vivendo hoje?

Apocalipse 3:15 Como um pastor pode dizer: “Minha segurança está em Cristo” e andar com “guarda – costas? Ou o Anjo do Senhor não é suficiente para guardá-los? Antigamente, palavra de pastor se escrevia, hoje não se escreve mais! Observe o que Silas Malafaia dizia sobre a Teologia da Prosperidade anos atrás, e o que ele tem dito, nos dias de hoje: Contra a Teologia da Prosperidade: “Camarada, que Deus, o mundo e o diabo também, aí é que tem muita gente enganada com o Evangelho. Tem muita gente enganada com igreja quer usar Deus, mas não quer o Deus da bênção, ele quer a bênção de Deus, ele quer Deus para seus interesses, ele quer Deus para seus problemas, mas não quer servir a Deus” IBID (1990). “Teologia da Prosperidade, isso nos Estados Unidos é lindo vem falar de Teologia da Prosperidade, na Rocinha no Rio de Janeiro vem falar?”. IBID (1990). “Teologia da Prosperidade, na América, dez a pujança econômica, o maior país capitalista do mundo está adequado. Agora vem falar? Vem falar de Teologia da Prosperidade na Zâmbia, na Angola, Guiné Bissau…”. “Escute o que diz a Bíblia, Provérbios 22:03 diz assim: O rico e o pobre se encontram e ambos fez o Senhor, sabe deixa eu dizer um pouquinho sobre a Teologia da Prosperidade sabe o que ela diz? IBID (1990). “E tem igreja no Brasil que segurou essa coisa com tamanha força que não é brincadeira” IBID (1990). O Discurso Mudou! Por que será que Mudou?

Agora, O discurso A Favor da Teologia da Prosperidade:” … Eu sei que o povo dessa igreja recebe, mas eu estou aqui falando para o povo que está me assistindo pela TV, porque, o que eu vou falar aqui, não é uma palavra comum, o que eu vou falar aqui tem “preconceito” de cristãos, o que eu vou falar aqui tem medo dos pastores falarem do assunto, o que eu vou falar aqui tem “ação do diabo” para neutralizar você, e o que eu vou falar aqui, você já vai começar a entender, tem bravatas emocionais, argumentos filosóficos e muitas vezes, pouca Bíblia”.

Silas Malafaia usa um argumento para consolidar o discurso, no intelecto daqueles que já subscrevem, pois; o povo aqui dessa igreja recebe, mas para aqueles que não compactuam com o discurso pode estar inserido em um discurso humano e não espiritual, “porque, o que eu vou falar aqui não é uma palavra comum“. “No âmbito da autenticação do que se fala, ele usa argumentos filosóficos, pouca Bíblia para então discorrer sobre o tema de interesse.

“… Eu quero falar sobre uma vida de prosperidade, quantos aqui querem ter? Um suave amém da plateia! Ah! eu acho que falei alemão! Vou perguntar de novo, o pessoal que tá em casa não ouviu”. “… Quantos aqui querem ter uma vida de prosperidade? (Um amém, mais forte da plateia) depois da forçação de barra melhorou! IBID (2011). “… Na verdade, que o assunto da prosperidade, o que eu acabei de falar tem preconceito, a assunto da prosperidade e é, Teologia da Prosperidade, não quero saber, hei! Duvide, critique, determine, aprenda a escutar, até aquilo que você não gosta” IBID (2011).

Este assunto, se tornou tema do programa: “Vitória em Cristo” na época em que o sermão foi pregado. Na ocasião, Malafaia fez um desafio aos seus críticos, críticos da Teologia da Prosperidade . Malafaia desafiou os críticos, a provarem teologicamente, que sua pregação está biblicamente errada. “Chegou o grande dia, o dia em que estou desafiando, muitos críticos, que gostam de dizer, que eu estou no “besteirol” da Teologia da Prosperidade afirmou Silas Malafaia, no início do programa IBID (2011).

Olhe o que diz o pastor Paulo Romeiro, em seu Livro: (Super Crentes). “… Conhecido popularmente como “Teologia da Prosperidade” esta corrente doutrinária, indica que qualquer sofrimento do cristão indica falta de fé. Assim, a marca do Cristão cheio de fé, e bem sucedido é a plena saúde: física, emocional e espiritual, além da prosperidade material. Pobreza e doença são resultados visíveis do fracasso do cristão que vive em pecado, ou que possui fé insuficiente”. ROMEIRO (1993,P. 7).

O que mudou na relação discurso e prática, na teologia de Malafaia? E outros pares?

A HISTÓRIA É A “PORTA GIRATÓRIA” NA HISTÓRIA DA IGREJA”.

AUTOR

Parece que a porta tem girado no sentido contrário, ao invés de levar às pessoas (Igreja) para dentro de Cristo, como Paulo enfatiza: “Em Cristo” a Igreja Evangélica parece ter “regredido no tempo” não no sentido cronológico da vida, mas; em seus aspectos espirituais, comportamentais e experienciais. Vivemos uma espécie de “Nilismo” espiritual.

Duvido muito, que esses pastores, que estão apelando veementemente, para que os “evangélicos” participem do ato “político” do dia 7 de Setembro, visitam seus membros mais carentes e necessitados, com a mesma veemência e singularidade, como fazem política?

A alegação é: ” A possibilidade de que, a vitória de Lula, nas eleiçoes de 2021 significa o risco da implementação do “comunismo” e como consequência, o perigo do fechamento das Igrejas e entraves, na liberdade de culto. Pergunta: Não há risco para a liberdade de culto, quando se apregoa: o fechamento do Congresso, a volta do A-I 5, e/ou, o fechamento do Supremo Tribunal de Justiça (STF). Ou a preocupação na verdade é a perca de privilégios e continuidade de uma Confissão Positiva, e ou; Teologia da Prosperidade?

Uma Professora de Coimbra declara: “Dei todo dinheiro que tinha, e quando já não havia dinheiro, o meu pastor me trouxe um recado: O pastor Tadeu disse-me para dar o ouro e as joias. Eu dei fiquei sem nada, á espera de uma bênção financeira, que nunca chegou. Só hoje vejo, como estava cega, completamente cega!”. Revista Visão de Portugal 10 a 16 de Fevereiro de 1994, p.47).

A Igreja cresceu, como “um rabo de cavalo” “… É necessário que Cristo cresça e que eu diminua”. Estamos vendo o contrário, “EU” estou crescendo, como Igreja Instituição, mas diminuindo acintosamente como cristão! Olhe a guerra declarada, na polarização política nas redes sociais dos “evangélicos” irmãos se digladiando em torno de um homem, uma clara manifestação do culto à personalidade. A Bíblia é muito clara quanto á isto! ídolos não se traduzem em imagens de escultura apenas, mas se cultua, a própria personalidade de um sujeito. Muitos seguem Malafaia, outros Valdemiro, Outros Estevam, quando na verdade deveriam seguir á Cristo. Outros fazem das ideologias, e quando não, da própria Teologia, instrumentos de adoração e culto, numa clara demonstração de fanatismo religioso. Está na hora da Igreja “deixar de ser criança”, mas como escrito por Paulo: “… Esquecendo-me das coisas que para trás ficaram e avançando, prossigo para o alvo…”. A Igreja cresceu no tempo, mas esse crescer, não traduz um crescimento espiritual, não traduz uma vida como em Romanos 12:01. “Rogo-vos pois, que apresenteis vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional e não vos conformeis com este século, mas transformai-vos, pela renovação da vossa mente, para que experimenteis, quão boa seja; a perfeita vontade de Deus”.

“A HISTÓRIA É A “PORTA GIRATÓRIA” NA VIDA DA IGREJA”.

AUTOR.

Infelizmente, a porta giratória da História e na História, tem mostrado milhões de pessoas, do lado de dentro, das Igrejas Evangélicas, porém, a vida tem mostrado o contrário, uma Igreja cheia de programas, liturgias diferentes, shows diversos, palavras aos montes, mas o “Nilismo” espiritual é latente! Muitas palavras, porém; sem a “Palavra”, Muitos Programas, porém, sem culto a Deus, muita riqueza, porém, numa pobreza espiritual de dar dó! Muitas delas, o diabo nem tem tanto trabalho, pois; as próprias pessoas, se encarregam de fazer o seu próprio “trabalho”. Com isto, a vida vai passando, os dias vão se abreviando e o mundo, chorando, lamentando, sofrendo e clamando: “…Como um cego de nascença: “… Senhor faça com que eu veja!”.

“quando eu era menino: falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino”.

1 Aos Coríntios 13: 11-12 (Nova Versão Internacional/ NVI).

E assim caminha a humanidade! E assim caminha a Igreja de Cristo! Uma Igreja “cheia” porém, cada vez mais vazia. Um vazio espiritual, existencial e profético.

Que Deus abra seus olhos, nossos olhos, a fim de que vejamos para que assim, distingamos, o certo do errado, e o amago do doce.

Há uma mistura, fruto de um pluralismo religioso sem precedentes na História, no entanto, ao contrário do que diz: Tanto na História como na Igreja, “tudo se cria e tudo, ou quase tudo, se transforma!”. As ideias se transformam, os interesses, se transformam, a fé se transforma, a única coisa que permanece a mesma é Deus, pois nele, não há nenhum sinal de variação. Estamos num retrocesso evidente das Igrejas, porém; numa progressão espantosa da religião “evangélica”, os 42 milhões de “evangélicos” é uma realidade espiritual, ou não é nada mais, do que uma teofania estatística? Uma utopia religiosa, ou um grande engodo “espiritual?”. Estamos amadurecendo como Igreja? Estamos progredindo por meio de uma “santificação progressiva” ou estamos estáticos, na premissa de uma consciência espiritual? Estamos agindo e crescendo como alguém que alcançou á idade adulta, o amadurecimento espiritual, ou estamos parasitando no tempo e no espaço, como folhas secas lançadas pelos ventos?

Que os números reflitam a verdade, e que a verdade, seja testemunha fiel do tempo. Que Deus abençoe sua Igreja! E que o processo de crescimento e desenvolvimento, não seja um engodo, mas se transforme, na mais nobre das realidades.

REFERÊNCIAS:

BRANDÃO, Mateus de Fátima. Uma análise da teologia da prosperidade no discurso religioso do pastor Silas Malafaia. 2018. 92 f. Dissertação (Ciências da Religião) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

ROMEIRO, Paulo. Evangélicos em Crise São Paulo, Editora: Mundo Cristão, 1995.

ROMEIRO, Paulo. Super Crentes, São Paulo, Editora: Mundo Cristão, 1998.

ZIMERMAN, David. E. Etimologia de Termos Psicanalíticos Porto Alegre, Artmed, 2012.

Telles dos Santos
O autor é Teólogo, Bacharel e Pós graduado em Teologia (PUC-PR). Faculdade Teológica Sul-americana (FTSA) Formado em Pedagogia Universidade Nove de Julho (uninove SP) e Pós Graduado em Neuropsicopedagogia pela Faculdade São Luís (SP) e pós graduado em Ciências da Religião. (Faculdade Batista de Minas Gerais). OBS.: Faço palestras sobre escatologia bíblica e outras doutrinas bíblicas, Conferências bíblicas e pregações em Igrejas e Eventos. Meu email. claudinei727@hotmail.com Caso queiram contactar-me.

Deixe uma resposta

Leia mais