15.2 C
São Paulo
quinta-feira, 17 de junho de 2021

Fake news x Ciência no front de batalha: A luta pelo jornalismo eletrônico, cultura, saúde e informação com credibilidade

Este trabalho final tem o objetivo de iniciar uma análise acerca do fenômeno das fake news. A velocidade da sua propagação e as consequências dessa disseminação de notícias falsas sobre a sociedade brasileira contemporânea, embora não seja algo novo no contexto da humanidade de uma maneira geral, a proporção da velocidade e as entranhas tomadas pela intensidade do boom das fake news no Brasil são alarmantes e a sociedade brasileira divide-se em um grupo perflexo e em outro grupo crédulo, ainda que as informações disseminadas tenham nítida intenção de enganar o público leitor e disseminador. As fake news, independente da perplexidade ou credulidade apresentam-se de forma devastadora nos campos do jornalismo eletrônico, da cultura, da ciência, da política ou em outros ramos do conhecimento humano, mas este trabalho tem a intenção de focar o ataque à Ciência, pois há pouca bibliografia sobre esse tocante específico de ataques das fake news apesar da celeridade com que são produzidas e disseminadas, provocando grande impacto social, anticultural e anticientífico.

Palavras-chave: Fake news, Cultura, Ciência, Sociedade, Informação, Jornalismo eletrônico, Saúde.

Autora:

Ana Lúcia Torres Marinho. Mestranda em História, Bens Culturais e Projetos Sociais no CPDOC/FGV, Especialista em Qualidade Total no LATEC/UFF, Bacharel em Biblioteconomia pela UNIRIO. Bibliotecária da Faculdade de Medicina da UFF.

Download:

2 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente as fake news já existiam, mas a pandemia facilitou para que elas se multiplicassem e deixassem as pessoas loucas com tantas informações que no fim eram falsas.

  2. Sim, as fke news existem faz muito tempo. caso tenha interesse leia o texto de GOMES, Wilson da Silva; DOURADO, Tatiana Maria. Fake news: um fenômeno de comunicação política entre jornalismo, política e democracia.
    Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 16, n. 2, jul./dez. 2019. Disponível em:

Deixe uma resposta

Leia mais

%d blogueiros gostam disto: