15.3 C
São Paulo
quarta-feira, 25 de maio de 2022

A melhor mãe do mundo

Minhas crônicas de quinta.

“- É a minha!”

Então, você aí, discorda e me diz:

“- Nada disso! A melhor mãe do mundo é a minha!” – e, claro, seu irmão concorda com você.

Até que aparece um juiz, todo pomposo, com aquela peruca branca, pronto para dar o veredito e encerrar a nossa discussão. Nisso, ele diz em alto e bom som que a melhor mãe do mundo é a dele! E bate o martelo no púlpito.

Aí Albert Einstein, surge do nada, e explica esse fenômeno:

“- Peraê, seu juiz! Acredito que estamos diante de afirmações relativas! Do seu ponto de vista…”

E então, Dona Hermínia, interrompendo a fala do cientista, solta o verbo:

“- Ah, vamo pará! Eu sou mãe e eu sei do que eu tô falando.” – e bate no peito – “A melhor mãe do mundo sou EU! Agora, dá licença que eu tenho mais o que fazer!” – assim, ela deixa o recinto e um bobs para trás.

Bobs que Dona Florinda pega para ela, dizendo:

“- Hum! Perdeu, agora é meu! Quer saber? Também cansei de gritaria, vou é sair de perto dessa gentalha!”

Nesse mesmo instante, Dona Lurdes, sentada lá no cantinho, esboça um leve sorriso, toda boba com a rosa vermelha que seu filho Domênico lhe dera. Alheia à confusão, solta apenas um longo suspiro, cheio de afeto e satisfação… Segundos antes de levar aquele susto e quase morrer do coração quando Rochelle manda um grito tão alto que chega até o Brooklyn:

“- Ô CHRIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIS! VOCÊ TÁ FERRADO, GAROTO!”

Diante dessa bagunça, tudo o que Dona Nenê consegue fazer é pedir calma. Toda preocupada, ela só queria resolver a situação da forma mais justa possível.

Já cansada com tudo aquilo, a Dona Maria do Carmo, manda o papo reto pras amigas ao lado:

“- Eu vou-me embora, visse. Eu tô é varada de fome!!!”

Em seguida ela se levanta e some de vista. Quem aparece no seu lugar é (por mais incrível que pareça) Marge Simpson, aquela, meio amarelada, de cabelo cônico, alto e azul. Ela me encara e começa a sussurar, repetindo esta frase:

“- Já é quase 8 horas…! Já é quase 8 horas…!”

– Não vai levantar, não?! Já é quase 8 horas! – era a voz da minha mãe, me acordando no susto.

Devagar eu voltava para a realidade e entendia que aquilo foi um sonho. Como prefiro deixar as coisas resolvidas, fui logo botar um ponto final naquela maluquice que não chegava ao fim. Levantei-me e, numa espécie de prolongamento daquele sonho – que ainda se misturava um pouco com a realidade – falei o que é raro eu dizer… Olhei pra minha mãe e disse, em meio a um sorriso calmo:

– Bom dia pra melhor mãe do mundo!

Ela estranhou um pouco, mas sorriu de volta e também me desejou um bom dia.

Luana Carvalho
Luana Carvalho
Arquiteta, cria da Unesp - Presidente Prudente. Brasileira, com 27 anos de sonho e de sangue, e de América do Sul. Escrevo porque não sei guardar segredo.

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

Leia mais

No posto de saúde

Cadê o papeeeel?!

Antes tarde do que nunca!

Eustáquio, o Homem Rabugento

Dois mendigos

%d blogueiros gostam disto: